O Sinédrio e a Ressurreição de Cristo

(Realidade & ficção)

 .

templo jerusalem“Jesus disse-lhes (às mulheres): Não temais! Ide anunciar aos meus irmãos que partam para a Galileia. Lá me verão.

Enquanto elas iam a caminho, alguns dos guardas foram à cidade participar aos sumos sacerdotes tudo o que tinha acontecido. Eles reuniram-se com os anciãos; e, depois de terem deliberado, deram muito dinheiro aos soldados, recomendando-lhes: “ Dizei isto: “De noite, enquanto dormíamos, os seus discípulos vieram e roubaram-no”. E, se o caso chegar aos ouvidos do  governador, nós o convenceremos e faremos com que vos deixe tranquilos”. Recebendo o dinheiro, eles fizeram como lhes tinha sido ensinado. E esta mentira divulgou-se entre os judeus até ao dia de hoje”( Mt 28, 10-15).

Personagens:  Anás, Caifás, Gamaliel, Sadoc, Doras, Shammai, Alexandre, Jónatas, Elquias

O Sinédrio era um conselho de 72 personagens que geria os assuntos religiosos dos Judeus e também tinha poderes militares e judiciais. Incluía fariseus, saduceus, sacerdotes, anciãos e pessoas ricas e/ou influentes na sociedade daquele tempo. O tráfico de influências e a corrupção, no sentido em que nós hoje os entendemos, não eram excepções.

 A notícia correu rápida. O corpo de Jesus desaparecera do sepulcro, apesar de guardado noite e dia por soldados judeus.. Era o terceiro dia após a sua execução no Calvário, um acontecimento que abalou tudo e todos,  em Jerusalém,  a que ninguém ficara indiferente, embora por motivos diferentes. A faísca incendiária partiu de Maria Madalena, que se deslocara cedo ao sepulcro, certamente movida em seu interior pelo próprio Deus, para ser a 2ª testemunha da Ressurreição, pois a primeira fora a Mãe de Jesus, em cuja alma nunca penetrara a dúvida sobre a Ressurreição do Filho, embora não tivesse ficado imune à tentação contra a Fé, pois, tal como o Filho, também ela se sentiu abandonada pelo Pai naqueles  dias de trevas espirituais.

Também, como era inevitável, a notícia chegou rapidamente àqueles que teceram os acontecimentos daquela sexta feira passada, véspera da solenidade da Páscoa Judaica, mas os soldados  judeus também não tardaram  a contar tudo o que se  passara naquela madrugada, em que um meteoro, investindo  contra a entrada do túmulo de Cristo, provocou um estrondo tal que os soldados não deram por mais nada, estando ainda desmaiados quando Maria Madalena se deslocou ao túmulo e o encontrou vazio e em perfeita ordem. É lícito supor que os soldados, uma vez capazes de abandonar aquele espaço, foram directos a contar o que se passara.

 Finalmente, pensavam as autoridades do Templo  ter acabado de vez com o pesadelo de apanhar, julgar, condenar e executar Aquele que se apresentava como o Messias de Israel e pregava uma doutrina nova, mas que, para eles não passava de um impostor, um agitador e outras coisas. Embora perseguidos por fantasmas, todos os membros do Sinédrio que tinham votado a favor da condenação de Cristo à morte estavam convencidos de que poderiam descansar e continuar a viver as suas vidas de “santos de Israel”, apesar de Jesus os ter desmascarado com os epítetos que constam ainda hoje dos evangelhos: hipócritas, sepulcros caiados, assassinos de profetas, profanadores do Templo, violadores da Lei, arrogantes e blasfemos, que tinham tornado a Lei impossível de se cumprir, pelos muitos e desnecessários acrescentos saídos de suas cabeças. Tudo isto estava ainda fresco na memória deles, facto que lá continuaria até ao fim de suas vidas.

A notícia caiu bombasticamente sobre eles. Que fazer agora? O sumo sacerdote Caifás convocou apressadamente os mesmos da reunião anterior, deixando de fora José de Arimateia, Nicodemos, Eleazar, Menaem, Cusa,… por suspeitas de eles serem discípulos  ou simpatizantes de Jesus. Particularmente intrigado, mas por outros motivos, estava  o sacerdote Gamaliel, que vira concretizado o sinal que pedira a Yahweh sobre o Messias. E a reunião fez-se ainda no dia da Ressurreição, o primeiro dia da semana,  o Domingo.

Caifás – Veneráveis e santos membros deste Conselho, já deveis saber a causa desta convocação urgente do santo Sinédrio. É que o corpo daquele impostor e agitador desapareceu do túmulo. Eu e o meu sogro Anás já lá fomos ver. O sepulcro está vazio e a grande pedra que tapava  a sua entrada foi removida. Como isso aconteceu, nós não sabemos ainda explicar.

Anás – Nós suspeitamos que os discípulos dele foram lá de noite e roubaram o corpo. E quem sabe se não foi mesmo o José de Arimateia, o Nicodemos , o Eleazar, o Cusa, o Menaem,… ou os cinco juntos! Eu julgo-os capazes disso, tanto mais que o sepulcro pertence ao José!

Gamaliel – Más como foi isso possível, se o sepulcro estava guardado noite e dia pelos nossos soldados, a quem não se perdoa nenhum desleixo no cumprimento de missões militares?

 Doras  –  Isso é perfeitamente  possível! Podiam eles estar a dormir ou  terem bebido vinho demais e estarem a curtir a bebedeira com um sono pesado. Então, os seus discípulos poderiam ter aproveitado a situação para roubar o corpo sem ninguém dar por isso. E agora, para esconder o roubo, eles propalam que ele ressuscitou. Isto é o que eu penso!

Gamaliel – Achais isso possível?  Se os Seus discípulos fugiram todos com medo e continuam escondidos, quem teria coragem para aparecer lá em cima, sabendo que o túmulo estava guardado pelos nossos soldados?  Isso seria a vergonha deles e nossa!  Não vos lembrais que Ele garantira que ressuscitaria ao terceiro dia? Não vos lembrais que Ele disse que se destruísseis o Templo, Ele o reconstruiria em três dias? Ora, eu agora vejo qual era esse Templo a que Ele se referia: era o Seu próprio corpo, Templo de Deus, porque Ele é Deus, o Filho de Deus!

Caifás – Tu estás a delirar, ó Gamaliel! Se fosse assim, porque é que ele não foi mais claro? Se ele disse isso  aqui no Templo, devia ter explicado que não se tratava  deste templo de pedra, mas que se referia ao seu próprio corpo.

Gamaliel – Mas vós também deveríeis saber  que Ele profetizou a ruína deste grandioso Templo de pedra, a honra e a glória da nossa nação, dizendo que, quando chegasse o dia, não ficaria dele pedra sobre pedra. Portanto, Ele falou de dois templos: este e o Seu próprio corpo. Vós destruístes o Seu corpo, mas Ele irá destruir este Templo em que nos encontramos. Consta-me que Ele anunciou isso poucos dias antes de ser preso. Só não disse quando seria. E também disse que Deus iria  abandonar este Templo de pedra, por causa das muitas profanações  e baixezas que nele se cometem, e porque, segundo Ele disse, Ele viera para aperfeiçoar a Lei e os Profetas, inaugurando uma nova era no relacionamento com Yahweh.

 Na minha opinião, o rasgão do enorme cortinado do  “Santo dos Santos” significa mesmo que Yahweh já o abandonou, irritado, num gesto semelhante àquele em que tu, ó Caifás, rasgaste as tuas vestes quando o acusaste de blasfemar, por ele dizer que era o Filho de Deus. Tu rasgaste as vestes contra Yahweh, mas Yahweh também rasgou as Suas contra vós todos, querendo com isso dizer que a Aliança entre Ele e Israel caducou, por culpa vossa! A  partir de agora, Yahweh já cá não tem a Sua Morada Santa. Todo este Templo passou a ser um local profano. Agora, eu penso que uma nova era já começou ou vai começar. Assim, no meu entender, aquilo que vós julgáveis ser o fim de um pesadelo acabará por ser o princípio de algo novo, sublime, que suplantará tudo aquilo que possais imaginar. O que é obra de Deus ninguém o pode destruir. Foi isso que eu vos disse antes de O condenardes à morte! Mas vós não me ouvistes!

Anás – Será que tu estás em teu perfeito juízo ? Dormiste mal? Tiveste algum sonho agitado? Estarás bêbado? O estado de embriaguez faz delirar e ter ideias esquisitas! Ou será que passas a ser seu discípulo? Vê lá! Isso pode dar-nos razões para te expulsarmos do Sinédrio e …algo mais!

Caifás – Bem, deixemo-nos de disputas! Nós precisamos de encontrar ideias, soluções  e planos para este novo problema, que pensámos nunca vir a surgir, mas temos de enfrentar a realidade. Alguém tem alguma sugestão,  ideia ou plano sobre o que fazer?

Shammai – Eu tenho uma  sugestão, uma ideia e um plano! Temos de convocar os  soldados  que constituíam o piquete que guardava o túmulo  desse impostor! Se eles puserem obstáculos, quanto a contarem-nos uma  verdade que colida com os nossos interesses, recorremos ao tesouro do Templo para os convencermos. Já fizemos isso, pagando aos habitantes do bairro de Ofel para gritarem pela sua morte em frente de Pilatos.  Não há nada que não se consiga com dinheiro vivo. Eles espalharão a nossa verdade e assim se destruirá qualquer atoarda espalhada pelos seus discípulos. Se, mesmo assim,  eles recusarem a nossa oferta, ameaçá-los-emos com a acusação de falta grave no cumprimento dos seus deveres, o que se traduziria em julgamento , punição ou sentença de morte. Eles, aí, vão ter medo e contarão a nossa verdade. Além disso, seremos nós a julgá-los!

Caifás – Parece um bom plano, ó Shammai, digno da tua inteligente cabeça!  Alguém tem algo a dizer a este respeito?

Gamaliel – Antes que estas medidas sejam discutidas e aprovadas, peço licença para dizer ainda algo que preciso dizer, para que ajamos com prudência e sabedoria. Faço um apelo à memória daqueles de nós que estávamos presentes no exame de maturidade de um Jovem de 12 anos que, há cerca de vinte anos, passou pelo Templo. Deveis lembrar-vos que Ele nos espantou por Sua sabedoria e que nenhum de nós foi capaz de explicar de onde Lhe vinha. Nem sequer o nosso santo  e sábio mestre Hillel! Se bem vos lembrais, Ele mostrou saber, já  com aquela idade,  coisas que nós, após tantos anos de estudo, não conseguíamos saber, sendo inclusivamente capaz de recitar de cor grandes passagens da Torá, fosse de que  rolo fosse. Então, sobre Isaías… um espanto !  Sabia tudo o que ele diz sobre o Messias. Isto não vos diz nada? Eu fiquei perplexo, pensativo,…sobre se não seria Ele mesmo o Messias, pois Ele disse nessa ocasião que o Messias já estava entre nós, porque o tempo da profecia de Daniel a Seu respeito já se tinha cumprido.

Passados 20 anos, aparece por aqui já como adulto e a fazer o que todos nós sabemos e nós a fazer o que também nós todos sabemos. Quando Ele, há três anos, apareceu por aqui, eu reconheci Nele aquele menino de 12 anos e pedi então a Yahweh um sinal de que Ele seria o Messias verdadeiro e anunciado pelos profetas.

Anás – E que sinal foi esse? Já te foi dado? Quando e como?

Gamaliel – Esse sinal,  por mim pedido, era este: Que um dia, comigo ainda vivo, o véu do Templo se rasgasse de alto abaixo sem intervenção de mãos humanas. Sabemos todos que este sinal se cumpriu na hora da sua morte…  Como explicais que o varão que suportava aquele enorme e pesado cortinado tenha ficado em sua posição, sem sofrer danos, e o cortinado  de púrpura se tenha inexplicavelmente rasgado de alto a baixo e  assim continue? A partir de então, as coisas, para mim, mudaram, e oxalá levem mais alguém a mudar… Eu não preciso de mais provas! …Ah! Já me esquecia de um pormenor! Há poucos dias,  o seu discípulo João, trouxe-me um recado!

Anás – Qual foi esse recado?

 Gamaliel –  Foi assim: “ O Mestre manda dizer que dentro de poucos dias terás o sinal que pediste”! Ora, como é que ele sabia que eu tinha pedido aquele sinal, se eu nunca o revelara a ninguém? Agora, sou eu que aguardo a vossa explicação!…E calo-me para vos ouvir!

Sadoc – (Quebrando um longo, perturbante, silêncio e olhares cruzados em todas as direcções) Tudo isso são meras coincidências e, se não forem, são coisas só explicáveis  por meio de Belzebú, de quem ele era um aliado. Até os doentes que ele curava e os mortos que ressuscitava era pelo poder de Belzebú.

Gamaliel – E Elias, que ressuscitou o filho da viúva de Sarepta, também actuava  por obra de Belzebú? Ora, Elias rezou pedindo a Yahweh que ressuscitasse o menino, o que aconteceu. Ora, hoje sei, ou sabemos, que há poucos dias ele ressuscitou Lázaro por sua própria autoridade, dizendo:” Lázaro, eu te ordeno, sai cá para fora!” E os demónios que ele expulsava? Também era por meio de Belzebú, como vós dizíeis? Que eu saiba, os demónios não se expulsam uns aos outros nem dão poder a ninguém para ser usado contra eles! Onde há sabedoria não há opiniões destas!  Além de Lázaro e do filho da viúva de Sarepta, também ressuscitou o filho da viúva de Naím e ainda a filha de Jairo, o sinagogo de Cafarnaúm. Vós achais que Belzebú tem poder para ressuscitar mortos ?

Jónatas – Eu penso que não!

Alexandre – Eu também penso que não!

Gamaliel – Alguém pensa que sim?…..( Silêncio)……Então, ninguém diz nada? Esse silêncio significa que todos pensais que ele não tem esse poder. Agora, respondei-me: Se Belzebú não tem esse poder, como é que ele o vai dar a alguém para que o use contra si?

 Ainda quanto ao plano apresentado por Shammai, tenho duas perguntas a fazer! Quando fordes conversar com os nossos soldados que fizeram o 1º piquete de guarda ao túmulo: 1ª – Quem ficou com as vestes daquele condenado? 2ª – Quem ficou com a túnica?

Aos soldados do último piquete, isto é, os que estiveram lá durante a noite passada, perguntai como explicam eles que o túmulo tenha aparecido aberto, estando eles de vigia? Pelas informações que tenho, Ele ressuscitou após aquele tremor de terra que sentimos esta madrugada, completando assim o ciclo da morte e da ressurreição: terramotos e trevas na morte, terramotos e luz na ressurreição. Quereis mais sinais?

Caifás – Penso que atribuis demasiada importância a esses factos. São puras coincidências!

Gamaliel – Sabeis tão bem como eu o que as Escrituras dizem a respeito do Messias. Peço-vos licença para vos recitar algumas passagens de um salmo (21/22) da Escritura. Vereis como tudo se aplica a Ele. Se me disserdes que são coincidências, digo-vos que são coincidências a mais para serem apenas coincidências. Leio-vos: “…todos os meus ossos se desconjuntaram,…a minha garganta secou-se como barro cozido e a minha língua pegou-se me ao céu da boca; reduziste-me ao pó da sepultura,….trespassaram as minhas mãos e os meus pés; posso contar todos os meus ossos,…olham para mim cheios de espanto. Repartem entre si as minhas vestes e sorteiam a minha túnica”. Ide confirmar, com recta intenção,  se foi assim ou não… e tirai as conclusões!

Anás – Tem paciência, ó Gamaliel! Estás um pouco excitado e nervoso, e, se te deixamos falar, ainda acabas por nos converter a todos e saímos daqui feitos seus discípulos. Por isso, proponho que te seja retirada a palavra até à votação final!

Gamaliel – Então, aqui vai a minha última palavra! Falastes há pouco  na minha possível expulsão do Sinédrio. Vou facilitar-vos a vida, expulsando-me a mim próprio. Abandono de vez este Sinédrio, que insiste em se manter cego contra toda a evidência. As minhas dúvidas acabaram e quem tiver as suas, sirva-se da humildade,  do seu conhecimento das Escrituras, compare-as com a vida, a  morte e ressurreição deste Messias, fale com os Seus discípulos e descobrirá  a Verdade. Quanto ao resto, se  eu pedi um sinal e Yahweh mo concedeu, tenho de ser coerente e honesto! Por isso, o meu lugar já não é aqui e as minhas funções de sacerdote da Velha Aliança  caducaram, pois um novo Sacerdócio  irá surgir numa Nova Aliança. Vou juntar-me a Nicodemos, a José de Arimateia , a Menaem,  a Eleazar,  a Cusa, membros ilustres e rectos deste Sinédrio, que vós deixastes de convocar para que as votações decorram segundo os vossos interesses. Assim, esta será a minha última presença entre vós.

Caifás – Tem calma! Nós respeitamos-te como o maior mestre e doutor da Lei em Israel. Não te precipites, deixa correr algum tempo até ver em que pára tudo isto. Mas nós  temos de agir depressa e bem, para que esta embrulhada não venha a ser pior que a primeira, por isso, proponho que seja  posto  à votação o plano sugerido por Shammai!

Gamaliel – Eu quero estar presente nas entrevistas  com os soldados que guardavam o sepulcro! Eu próprio os quero interrogar na vossa presença!

Caifás – Lamento, mas eu, como sumo sacerdote e autoridade máxima deste santo Sinédrio, é que escolho a delegação que se encarregará desta tarefa! Por isso, aconselho-te a ficar de fora deste assunto! Depois, serás informado, tal como os outros! E pronto! Dou por fim este conselho do santo Sinédrio. Nós, isto é, eu e Anás, tomaremos as necessárias previdências para que se cumpra o que aqui foi aprovado. Pode cada um ir à sua vida! Quando houver dados a transmitir, nós o faremos.

A votação fez-se e o plano de Shammai  foi aprovado,  com o voto contra de Gamaliel,  que  logo ali se despediu de vez do Sinédrio, acabando por se entregar à causa de Cristo, apesar de ser já idoso e ter problemas de visão. Mas, como trabalhador da última hora, teve o mesmo prémio dos da primeira .

.

 Ezequiel Miguel

.

Artigos relacionados:

. Ressuscitou, como disse

. No caminho de Emaús

. Maria Madalena perante o túmulo de Cristo

. O Sinédrio e os guardas do túmulo de Cristo

. Oito dias após a ressurreição

A Ressurreição de Jesus (Jo 28, 1-10)

Jesus20Despontava o primeiro dia

quando a cidade estremeceu.

Jesus do sepulcro saía,

depois que Ele a morte venceu.

.

Descendo lá do alto Céu,

um anjo a pedra removeu

e, vestido de branco véu,

para seu assento a escolheu.

.

Chegou a Maria Madalena

e com ela outra Maria,

ficando intrigadas na cena:

no sepulcro ninguém se via.

.

A Terra acordou e tremeu,

os guardas se encheram de medo

e nenhum deles compreendeu

o que se passava tão cedo.

.

O anjo as mulheres acalmou:

Não busqueis o Crucificado,

pois Ele já ressuscitou

e entre os mortos não é contado

.

De acordo com o que anunciara,

já hoje Ele ressuscitou.

Eis o túmulo que ocupara…

que vazio para sempre deixou.

.

Ide aos discípulos contar

que Jesus já ressuscitou,

na Galileia vai esperar.

Foi o recado que deixou”.

.

Ezequiel Miguel

Ó grande alegria

Ó GRANDE ALEGRIA ( Handel)

Image

Salmo 117 (118) – Eis o dia que o Senhor fez

Celebrai o Senhor, por sua imensa bondade,

porque dura para todo o  sempre o Seu amor.

Diga a Casa de Israel,  de Aarão, em unidade:

é eterna a misericórdia do Senhor.

.

Todos aqueles que cultivam  Seu Temor

repitam: dura para sempre a Sua bondade;

na tribulação eu gritei pelo Senhor,

Ele me ouviu e aliviou minha dificuldade.

.

O Senhor está comigo, jamais temerei.

O que tenho, vindo dos homens, a temer?

A meu lado o Senhor ajuda-me, eu sei,

dos meus inimigos já nem quero saber.

.

Vale muito mais refugiar-se no Senhor

do que depositar nos homens a confiança,

vale muito mais refugiar-se no Senhor

do que colocar nos nobres a esperança.

.

As nações todas, em aliança, me cercaram,

mas em nome do Senhor as aniquilei,

conluiadas, todas um cerco me montaram,

mas no nome do Senhor eu as derrotei.

.

Como vespas por todo o lado me cercavam,

como fogo em silvas  os ouvia em redor,

em sua fúria assanhada me circundavam,

mas aniquilei-os em nome do Senhor.

.

Empurraram-me ao verem a minha fraqueza

mas veio em meu auxílio a mão do Senhor;

o Senhor é minha glória e fortaleza,

Ele me salvou, Ele é o meu Salvador.

.

Ressoe um brado de alegria e salvação

saído dos corações dos que temem o Senhor,

o Senhor usou com valentia a Sua mão,

a Sua dextra a todos mostrou o seu vigor.

.

Foi com dureza que Ele me entregou à dor,

mas não me fez de entre os vivos desaparecer;

para anunciar as maravilhas do Senhor

não irei com a morte, mas hei-de viver.

.

Para dar graças ao Senhor eu entrarei

pelas portas da justiça, que se abrirão,

aberta a porta do Senhor contemplarei,

será por ela que os justos entrarão.

.

Dou-Vos graças porque em Vós meus gritos ecoaram

e fostes para mim a única salvação;

a pedra que os construtores não aproveitaram

tornou-se a pedra que de todas faz junção.

.

Tudo isto foi feito por obra do Senhor,

sendo justo que esta maravilha admiremos;

neste dia Ele mostrou o Seu vigor,

neste dia nos  alegremos e cantemos.

.

A salvação nos concedei, por Vosso amor,

a vitória igualmente Vos imploramos;

bendito o que vem em nome do Senhor!

Da Casa do Senhor nós vos abençoamos.

.

O Senhor, nosso Deus, é quem nos ilumina.

Ordenai com ramagens uma procissão

até aos cantos do altar, onde termina.

Sois o meu Deus! Dou-Vos graças do coração.

.

Celebrai o Senhor, por Sua imensa bondade.

Sois o meu Deus, para sempre Vos exaltarei,

quero louvar-Vos por Vossa fidelidade

e pela salvação Vos glorificarei.

.

Ezequiel Miguel

Salmo 115 (116) – Erguerei o cálice da salvação

calice16Eu confiava no Senhor quando exclamava:

“É muito grande a minha perturbação!”

Então, deveras confuso, eu afiançava:

“Todo o homem tem à mentira devoção!”

.

Como vou eu ao Senhor agradecer

tudo o que de bom me deu por Seu Amor?

O cálice da Salvação vou erguer,

invocando o Nome santo do Senhor.

.

Cumprirei minhas promessas ao Senhor,

renovando-as na presença do Seu povo.

À morte dos Seus fiéis dá todo o valor,

pois conduz a um eterno louvor novo.

.

Sou Vosso servo, filho da Vossa serva,

desataste-me das cadeias da morte,

o meu louvor permanente se conserva,

o Vosso Nome invoco pela minha sorte.

.

Dentro das tuas muralhas, Jerusalém,

cumprirei minhas promessas ao Senhor,

perante todo o povo, como convém,

em tudo Lhe dando honra, glória e louvor.

.

Ezequiel Miguel

Também vós quereis ir embora? (Cf. Jo 6 )

(Realidade & ficção)

 .

Personagens:

. Jesus Cristo

. Apóstolos : Pedro, Tiago, João, Tomé, Mateus, Judas Iscariotes

. Judeus

. Discípulos

.

A cena passa-se no Templo de Jerusalém, onde Jesus aparecia de vez em quando para divulgar mensagens importantes e onde nunca faltava um numeroso auditório, pois o Templo era ponto de encontro de multidões.

O que Cristo tinha para dizer desta vez era (e ainda é) algo humanamente inconcebível, a requerer uma aparente loucura de Quem discursava e outra por parte de quem ouvia. Tratava-se do discurso que está relatado em João 6, que aconselho a ler, antes de prosseguir.

Cristo – ….E é assim, como vos digo. Os vossos pais comeram o maná  do deserto, que o Pai lhes enviou, mas esse era um alimento para o corpo, que não evitou que eles morressem. Mas vai chegar o tempo em que o Pai vos dará a comer um alimento que vos dará a Vida Eterna. Esse alimento será a Minha Carne, que acompanhareis com uma bebida, igualmente de Vida Eterna, que será o Meu Sangue. A Minha Carne e o Meu Sangue é que serão o verdadeiro Pão do Céu e quem Me  comer não morrerá, porque Eu sou verdadeira Comida e verdadeira Bebida…

1º Judeu – Eh! Mas o que é que estás para aí a dizer? Será que  bebeste demais?

2º Judeu – Eu penso que há mais alguma coisa além de  estares bêbado! Eu nunca ouvi um bêbado dizer disparates destes. Não estarás  louco?

Cristo – Em certo sentido sou  mesmo louco, tal como o Meu Pai é igualmente louco. Ele e Eu somos loucos de  Amor pelos homens e por eles nós fazemos o possível e o impossível! O Meu Pai e vosso Pai do Céu criou as almas dos homens no momento da concepção dos seus corpos. Estes morrerão, mas as vossas almas nunca morrerão, nem neste mundo nem no outro, quer se salvem, quer se condenem.  Vós alimentais os vossos corpos com o  alimento material que o Pai vos dá, mas Ele também vos quer dar um alimento para as vossas almas, um alimento de Vida eterna junto do Pai, porque Ele, que as criou, quere-as de volta para Si, na eterna felicidade.

3º Judeu –  Queres tu dizer, então, que quem não comer desse alimento para a alma não se salvará? Não há aí um grosseiro exagero? E onde é que haverá desse alimento que chegue para todos os homens comerem, isto é, para aqueles que querem salvar-se?

Cristo – O  nosso Pai ofereceu o maná no deserto durante 40 anos para alimento do corpo, mas o Maná do Céu será inesgotável e à disposição de todos os homens até ao fim dos séculos. Quem comer deste Maná celeste, que Eu vos darei, nunca mais terá fome nem sede.

4º Judeu – Estás a brincar connosco ou fazes de nós todos uns estúpidos que vão acreditar em todas essas balelas? Desde que o mundo é mundo, nunca ninguém falou assim, nem sequer um louco dos mais loucos!

5º Judeu – Mas afinal quem és tu? És um mago, um prestidigitador, um malabarista de ideias, um aliado de Satanás que te ensina truques para ficares famoso? És algum profeta?

Cristo – Se Eu expulso dos vossos possessos todos os demónios, como posso ser Eu um aliado de Satanás? Aliás, tem Satanás interesse em ser expulso? Satanás e Eu estamos sempre em lados opostos; Eu, do lado do Bem dos corpos e das almas, ele, do lado do Mal e contra as almas e os corpos. Quem sou Eu? Sou o Messias que vós esperais há tantos séculos, anunciado pelos profetas. Eu Estou acima dos profetas. Nenhum profeta fez por si só as obras que Eu faço e as obras que eu faço são as obras do Meu e vosso Pai que está nos Céus.

1º Judeu – Já agora, diz-nos quais são essas obras! Nós nunca as vimos!

Cristo – Não chegou aos vossos ouvidos o rumor de ressurreição de mortos, de curas de cegos, coxos, surdos, mudos, paralíticos, expulsão de demónios? Estas são as minhas obras, mas falta ainda a principal, que ainda não foi feita, mas que o será dentro de pouco tempo.

2º Judeu – Quando chegar essa hora, avisa-nos! Queremos ver!

Cristo – Não ireis ver, mas tereis de acreditar, pois chegou o tempo em que a vossa Fé na Lei de Moisés vai ser substituída pela Fé em Mim e no Pai, que Me enviou a vós. A vossa Aliança com Yahweh vai dar lugar a outra, a Nova Aliança, com uma Nova e Única Vítima, um Novo e Único Cordeiro a ser imolado numa nova Páscoa, numa nova passagem para uma Nova Terra Prometida e para um Novo Povo de Israel. Quem acreditar em Mim verá tudo isso e muito mais. Quem não acreditar será excluído da Vida Eterna e Eu não o ressuscitarei no último Dia.

1º Discípulo – Nós, aqui, que te aceitámos como o nosso Messias, nunca pensámos ouvir da tua boca palavras dessas sobre comer a tua carne e beber o teu sangue …e essas coisas todas que já disseste. Isso é linguagem que nós não entendemos. Queres fazer de nós canibais e vampiros? Como é que te vamos comer e beber?  Cru, assado, frito, cozido, ensosso, salgado , com ou sem osso, ou como?  Não estarás porventura a delirar? E quanto ao teu sangue, nós preferimos um bom vinho! ( Risada geral)

Cristo – Não estou a delirar! Vai ser mesmo como Eu digo, mas num plano invisível para vós. Os vossos olhos não estão preparados para penetrar nos mistérios de Deus. Só Ele, Eu , que sou o Seu Filho, e o Espírito Santo sabemos como vai ser. A vós competirá acreditar e fazer como Eu digo, se quereis alcançar a Vida Eterna.

2º Discípulo –  Dizes tu que és o Filho der Deus, o Messias? Cá para mim , és tanto o Messias como eu sou o Moisés. Estamos fartos de messias que aparecem por aí todos os anos, cada um a dizer os seus disparates, a enganar o povo e a tirar proveito da sua ingenuidade. Não serás tu mais um?

Cristo – Nunca houve outro antes de Mim nem haverá depois de Mim.

3º Discípulo – Mas como queres tu fazer discípulos se pregas doutrinas dessas, insuportáveis, intragáveis, misteriosas, incompreensíveis, não próprias para ouvidos humanos?

Cristo – Moisés também exigiu de vós coisas difíceis, que ainda hoje tendes em vigor. A prova de que eram difíceis e insuportáveis foi que vós as modificastes e inventastes outras para as substituir, criando tradições abusivas que nada têm a ver com a essência da Lei que Eu e o Pai vos demos através de Moisés.

1º Judeu – A sério? Foste tu? Mas tu não és filho de um carpinteiro de Nazaré? Até és conhecido por Nazareno!  Cada vez nos deixas mais baralhados. Onde é que tu estavas quando Moisés deu a Lei a nossos pais?

Cristo – Eu estava junto do Meu e vosso Pai. Onde Eu estou está o Pai e onde o Pai está, estou Eu. Eu e o Pai somos Um.

2º Judeu – (para outro Judeu) Este homem dá connosco em doidos. Não estará ele a divertir-se à nossa custa?

3º Judeu – Ou está ele, ou estamos nós, ou estamos nós e ele! Alguma destas tem de ser verdadeira. Qual? É isso que eu ainda não descobri! Mas repara que não somos capazes de o apanhar em falso nem a gaguejar o que quer dizer. Dali, sai tudo como um jacto de água contínuo, sem hesitações. Para mim, isto é tudo muito estranho.

4º Judeu – Parece-me que também é estranho para os que andam com ele. Eu vi alguns fazer caretas quando ele falou dessa coisa de lhe comermos a carne e lhe bebermos o sangue. Ele deve estar a falar de algo misterioso que nós ainda não atingimos. Repara bem! Os mortos que ele ressuscitou e os doentes que curou, dizendo só: “Eu quero! Faça-se!”… Isto tem que se lhe diga. Somente Yahweh pode falar assim e ele diz que ele e Yahweh são um! Há aqui mistério. Tenho de apanhar um daqueles que andam com ele por todo o lado e tirar isto a limpo. Algo de grande deve estar para acontecer. O quê? Não sei, mas os do Templo já andam a espiá-lo por todo o lado e isto quer dizer alguma coisa!

4º Discípulo – Estás a blasfemar contra a nossa santa Lei!

Cristo – A vossa santa lei vai ser modificada, aperfeiçoada e entregue a um povo que se mostrará orgulhoso do seu Deus. Aquilo que vós recusais será aceite pelos pagãos, a começar por aqueles  que vos rodeiam, os quais vão entrar no Reino de Deus, enquanto vós ficareis  de fora.

5º Discípulo – E isso, só porque não queremos comer a tua carne nem beber o teu sangue? Vamos dar-te o benefício da dúvida. Põe lá em miúdos essa linguagem de te comer e te beber! Estás a falar em sentido figurado, simbólico, com palavras que querem dizer outra coisa que nós desconhecemos ou estás a fazer um teste à nossa capacidade de compreender e aceitar coisas e realidades ocultas? Podes explicar-te melhor? Nós não temos grandes estudos nem somos mestres em Israel!

Cristo – As Minhas Palavras não têm nada de simbólico. São as palavras certas para exprimir o que vos transmito. Elas vão realizar aquilo que significam. Elas significam o que significam: comer é mesmo comer, beber é mesmo beber, carne é mesmo carne e sangue é mesmo sangue, sem nada de simbólico, metafórico, figurado. Elas exprimem a realidade nua e crua! Quem tem ouvidos para ouvir e capacidade para acreditar em Mim, ouça, acredite e viva. Daquilo que vos disse, nem uma vírgula ou um til será tirado. E ai daqueles que tirarem!

6º Discípulo – Isto são palavras intragáveis, disparates redondos, loucuras perfeitas nunca vistas nem ouvidas! Vamos embora! Deixai-o sozinho com os loucos que acreditarem na sua loucura. Vigiem-no para não beber tanto vinho! Eu sou discípulo Dele, mas nunca pensei que tudo iria dar nisto: um embuste, um fiasco, uma farsa, uma salada de coisas improváveis e coisas impossíveis. Vamos embora!

Segue-se uma confusão de gritos, insultos, numa algazarra própria de uma orquestra totalmente desafinada, tudo seguido de uma debandada quase geral. Cristo assiste silencioso à deserção de muitos discípulos e duas  lágrimas furtivas  deslizam pelas Suas  Faces. O Seu semblante pinta-se de  uma indizível e profunda tristeza. Eram lágrimas semelhantes àquelas já outras vezes derramadas por causa de Judas Iscariotes, lágrimas impotentes  de Deus omnipotente. No fim, restou um pequeno número, além dos Apóstolos. Cristo, disfarçando a Sua tristeza, quebrou, com voz mortiça, o silêncio:

Cristo – E vós? Também quereis ir embora?

Pedro – A quem iremos nós, Senhor, se só Tu tens palavras de Vida Eterna?

Cristo – Há alguém aqui ainda hesitante? Eu espero até que se decida!…Ficais todos?  Então, segui-Me! Vamos para outro lado!

Chegados  ao Jardim das Oliveiras, Cristo pôs-se à disposição daqueles que O acompanhavam, para esclarecer qualquer dúvida, como sempre fazia após qualquer ensinamento.

João – Mestre, nós vimos que Tu choravas enquanto eles desertavam. Nós temos muita pena de Ti e as Tuas lágrimas fazem também rolar as nossas. Nós ficámos Contigo e ninguém nem nada nos afastará de Ti e acreditamos nas Tuas Palavras de Vida Eterna, embora ainda não sejamos capazes de compreender certas coisas…

Cristo – Eu choro pelas almas que Me rejeitam agora e por aquelas que Me rejeitarão no futuro. A perda de uma alma é para o vosso Deus uma tragédia, um insulto ao Seu Infinito Amor pelos Homens. Choro por aqueles que não aproveitarão nada da Minha vinda à Terra. O vosso Deus enviou o Seu Filho à Terra, que vai fazer por eles algo inconcebível com vista à Vida Eterna, à Salvação,  e vai dar-se Ele mesmo em alimento às almas. Muitos Me irão rejeitar, fazendo do seu Deus um impostor, um mentiroso, um vendedor da banha da cobra, um fabricante de utopias! Choro por estes e por todos os das gerações futuras que se portarem como eles. Ao recusarem o seu Deus, recusam também a Vida Eterna junto Dele. Para eles, as Minhas lágrimas, o meu sofrimento, o meu sangue…de nada lhes servirão. Da Minha doutrina escolherão para si aquilo que não precisar de fé, abrindo uma via larga que não os conduzirá a Deus, porque o caminho que Eu vos abro é estreito, pedregoso, difícil,  e  somente Comigo sereis capazes de o percorrer.

Tiago –  Mestre, nós acreditamos nas tuas palavras, mas…

Cristo – Eu sei! É isso a Fé: acreditar sem ver as realidades para lá do mundo material, acreditar na Palavra de Deus, que se cumprirá a seu tempo. Já falta pouco para presenciar e viver o cumprimento das palavras que ouvistes há pouco e que causou a deserção de alguns dos que andavam connosco. Ultrapassa tudo o que possais imaginar. Ó amor infinito de Deus pelos homens!…A quanto obrigas!…

Pedro – Mestre, apesar do que dizes, parece-me que Te referiste a muitos, ao longo dos séculos, que não vão acreditar, por não acharem possível uma coisa dessas! Que lhes acontecerá, uma vez que não levarão a sério as Tuas Palavras?

Cristo – Vós vivereis e dareis testemunho daquilo que acabei de revelar-vos e que se vai cumprir em breve. Aqueles que, tomando conhecimento delas,  as levarem a sério e comerem o Meu Corpo e beberem o Meu Sangue com a alma revestida de veste branca,…para esses é que Eu serei penhor de Vida Eterna. Aqueles que as ignorarem sem culpa própria,…para esses haverá tolerância. Aqueles que as rejeitarem, as  negarem, as deturparem,  as torcerem, as modificarem, as esvaziarem, as interpretarem a seu gosto e não quiserem distingui-las das palavras dos homens , … Esses…

Mateus – E esses serão muitos?

Cristo – Serão mesmo muitos e cada vez mais numerosos, à medida que os séculos avançarem. Lembrai-vos da profecia de Daniel (Dn 13, 10-13) sobre a abominação da desolação no Templo do Senhor (a Igreja) e a abolição do Sacrifício Perpétuo, (a Missa ), anulado e substituído, no fim dos Tempos, por uma abominável imitação, sem nenhum valor.

Tomé – E nós, Mestre, vamos  todos receber-te com a veste branca e alcançar a Vida Eterna?

Cristo – Não todos! Entre vós há um cuja alma se veste de negro!

Todos – Serei eu,…eu…eu…?

Judas Iscariotes – Serei eu, porventura?

Cristo – Judas, tu sabes muito bem quem é!…

 .

Ezequiel Miguel

 .

Artigos relacionados:

. Sola Fide, sola Scriptura ? – I

. Sola Fide, sola Scriptura ? – II

. Você sabe o que é a Missa? – I

. Você sabe o que é a Missa? – II

.Você sabe o que é a Missa? – III

.Você sabe o que é a Missa ? – IV

. Salmo 118 (119)

. Entrevistando Satanás – VI

. Comunhão na mão? …Não!

. Instituição da Eucaristia

. Se não comerdes a Minha Carne…

. Comunhões bem feitas

. Comunhões mal feitas.

. Jesus e a Samaritana

. Jesus e a Samaritana de Sicar

. Isaías 12

. A Bíblia

Salmo 21 (22) – Meu Deus, porque me abandonaste?

OLiveiras13 Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?

Com os meus gritos não me vou salvar,

neles ainda Tu não reparaste,

apesar de eu não poder descansar .

.

Quanto a mim, sou mais um verme que um homem,

vítima do desprezo popular;

os transeuntes caçoam e se somem

com boca aberta e cabeça a menear.

.

Eles me vêm como um inimigo:

” Confiou no Senhor, Ele que o liberte,

que O salve, se ele passa por Seu amigo

ou então que a angústia a sua alma aperte”.

.

No ventre materno Tu me teceste,

aos peitos de minha mãe me confiaste,

quando nasci, logo me recebeste,

Tu és meu Deus, ao nada me arrancaste.

.

Não te mantenhas de mim afastado,

pois dor e angústia me rondam por perto,

faz com que o perigo me passe ao lado,

só Contigo tenho o auxílio por certo.

.

Matilhas de cães me circundaram,

vejo-me rodeado de malfeitores,

os meus pés e as minhas mãos trespassaram,

meus ossos posso contar entre as dores.

.

Com desdém olham para mim e param,

as minhas vestes entre si repartem,

a minha túnica à sorte deitaram,

caçoando de mim até que se fartem.

.

Vós, porém, não estejais arredado,

vinde e socorrei-me já, sem demora,

livrai-me de ser pela espada tocado,

de Vós espero auxílio em cada hora!

.

O Vosso Nome eu quero enaltecer,

no meio da assembleia Vos hei-de louvar.

Louve o Senhor aquele que O temer,

venha Israel seu Deus glorificar!

.

O Senhor o pobre não desprezou,

pela sua miséria não o repeliu,

a Sua Face dele não ocultou

quando os seus gritos de aflição ouviu .

.

Para Vós se dirige o meu louvor,

os meus votos vou na assembleia cumprir,

toda a Terra vos chamará “Senhor”,

todas as nações Vos hão-de servir.

.

Ezequiel Miguel

Previous Older Entries