Quando Deus corrige ( Cf. Heb 12, 1-13)

  1. Aquele que poupa o chicote odeia o seu filho;

aquele que o ama corrige-o sem demora (Prov 13,24)

 .

2 .  Meu filho, não rejeites a correcção do Senhor

nem te irrites quando Ele te repreender,

pois o Senhor castiga aquele que ama,

como um pai a um filho querido! (Prov 3,11-12)

.

21agostoDeste modo,…deixando para sempre de lado

qualquer impedimento  que sofrer possamos,

fugindo, de todos os modos, do pecado,

com firmeza a prova que corremos  ganhamos .

.

Nossos olhos tenhamos postos em Jesus,

pois Ele é da  nossa Fé o divino Autor!

Ele renunciou à alegria, sofrendo a cruz,

deixando da Fé o exemplo  consumador.

.

Considerai que sofreu grande oposição,

desprezado e combatido pelos pecadores,

para que prossigais com determinação,

não perdendo o ânimo perante quaisquer dores!

.

Na vossa constante luta contra o pecado

ainda  até verter sangue não combatestes.

Como a filhos vos é dirigido o recado,

uma exortação que por certo já esquecestes:

.

“Filho, aceita  do Senhor a correcção!

Não desanimes, quando  por Ele repreendido,

pois  Ele corrige  os que ama, sem contemplação,

e pune o que é como filho reconhecido”.

 

O vosso sofrimento não será em vão.

É como  bons filhos que Deus vos quer tratar.

E qual é o pai que não aplica a correcção?

Não sereis filhos se a correcção vos faltar.

.

De resto, todos tivemos os nossos pais,

que nos corrigiam por causa do seu amor.

Não temos nós razões e motivos  demais

para aceitarmos a correcção ao Senhor?

.

Por pouco tempo os nossos pais nos corrigiam.

Como eles, Deus corrige-nos para nosso bem.

Os nossos pais o faziam como entendiam,

mas Deus quer que nós sejamos santos também.

.

É certo que a correcção não é desejada

e parece não ser motivo de alegrias,

no triste momento em que  ela é aplicada,

mas, depois,  irá produzir alegres dias.

.

Aqueles que à correcção foram submetidos

serão pelos frutos de paz recompensados.

Erguei, pois, os vossos joelhos enfraquecidos,

pisem  os vossos pés caminhos aplanados!

.

Ezequiel Miguel

Temer a Deus ou ter medo DELE?

TitanicO presente artigo, da autoria de Timóteo Agostinho, em versão brasileira, foi adaptado a esta versão portuguesa.

Santo Agostinho diz que o objecto do medo é o mal futuro, mas Deus é bom e  Nele não há maldade nenhuma. Desse modo, já que Deus é bom em si mesmo, Ele não deve ser temido. Além disso, Deus é  a nossa única esperança. O medo, portanto, é oposto à esperança. Se esperamos em Deus, não devemos temê-lo… ou devemos? Penso eu que não,… e você?

Quais são as reacções que podem  voltar-se contra mim mesmo, se na vida, eu, ao invés de procurar ser humilde, me deixar levar pelo orgulho?

Eis a resposta de Jesus Cristo:

“Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado”  (Lc 14, 11).

O que você vai ler abaixo são reacções como consequência das acções de orgulho das pessoas? Lembre-se: A resposta é sua.

  1. JOHN LENNON disse: “O cristianismo vai acabar, vai encolher, desaparecer. Eu não preciso discutir sobre isso, pois estou certo. Jesus era legal, mas suas disciplinas são muito simples. Hoje, nós somos mais populares que Jesus Cristo”.

 Lennon, depois de ter dito que os Beatles estavam mais famosos que Jesus Cristo, recebeu cinco tiros de um de seus fãs.

  1. TANCREDO NEVES disse que, se tivesse 500 votos do seu partido (PDS), nem Deus o tiraria da presidência da República.

Ele conseguiu os votos, mas o trono lhe foi tirado um dia antes de tomar posse.

  1. LEONEL DE MOURA BRIZOLA – (22/01/1922 – 21/06/2004 ) No ano de 1990, disse que aceitava até o apoio do demónio para se tornar presidente. A campanha, quando acabou, apontou Collor de Mello como presidente e não mostrou Brizola nem em segundo lugar.

4 . CAZUZA, (Pseudónimo de Agenor de Miranda Araújo Neto)- Poeta, cantor e compositor brasileiro. Morreu em 07/07/1990, com 32 anos, vítima de complicações da SIDA.  Em um show no Canecão (Rio de Janeiro), deu um trago num cigarro de maconha, soltou a fumaça para cima e disse: “Deus, essa aí é para você”!

5 . O CONSTRUTOR DO NAVIO TITANIC – No dia de entrar em alto-mar, uma repórter fez a seguinte pergunta ao construtor: “O que  tem o senhor a dizer para a imprensa a respeito da segurança do seu navio?”. O homem, com um tom irónico, disse: “Minha filha, nem se Deus quiser ele tomba o meu navio”.

 O resultado foi o maior naufrágio de um navio de passageiros no mundo.

  1. MARILYN MONROE – (Actriz e cantora americana) Foi visitada por Billy Graham durante a apresentação de um show. Porém, ela, depois de ouvir a mensagem do Evangelho, disse: “Não preciso do seu Jesus!”.

Uma semana depois foi encontrada morta em seu apartamento.

  1. BON SCOTT – Ex-vocalista do conjunto AC/DC. Cantava no ano de 1979 uma música com a seguinte frase: “Don’t stop me, I’m going down all the way, wow the high way to hell” (Não me impeça… Vou seguir o caminho até o fim, na auto-estrada para o inferno).

 No dia 19 de Fevereiro de 1980, Bon Scote foi encontrado morto, asfixiado pelo próprio vómito.

  1. Aconteceu em 2004, na cidade de Londrina/PR, uma cidade de 500 mil habitantes, um facto que chamou muito a atenção dos bombeiros no inicio do mês de Setembro de 2004.

Uma jovem de 19 anos, que começara a beber e usar drogas, saiu para mais uma de suas “noitadas”, com mais quatro jovens, entre eles uma menor de idade, com apenas 13 anos de idade. Os rapazes passaram em sua casa, chamaram a moça e, pelo que tudo indica, já estavam embriagados com o som do carro em alto volume e bebendo. A mãe da moça, desesperada, acompanhou-a até ao carro e disse a seguinte frase para eles: Deus acompanhe vocês…!

Ouviu-se  logo uma gargalhada dentro do carro. A moça tirou a cabeça para fora e disse para sua mãe: – Só se ele for no porta-malas, porque aqui está lotado…”! Não demorou muito. O motorista, em alta velocidade, perdeu o controle do carro numa avenida e bateu de frente num poste. Os cincos ocupantes do carro vieram a falecer. Havia drogas e bebidas dentro da bagageira. Quando a perícia técnica e os bombeiros chegaram ao local, ficaram surpresos, pois o carro estava  destruído, com excepção do   porta-malas, que estava intacto. Quando os bombeiros abriram o porta-malas, ficaram assustados com o que viram: Havia dentro do porta-malas uma bandeja com 34 ovos e nenhum deles se tinha quebrado.

Timóteo Agostinho  – Em Repórter de Cristo – 9 de Julho de 2011

……………………………………………………………………………………………………………….

Comentários, por: Ezequiel Miguel

  1. Temer Deus / Temor de Deus/Ter medo de Deus / Medo de Deus

2.A língua portuguesa mostra uma certa ambiguidade em algumas destas expressões. Assim, o verbo temer pode significar: ter medo físico ou psicológico, mas temer (a) Deus significa fazer o possível e o impossível para não ofender Deus pelo pecado, seja ele qual for e de que tipo for. O TEMOR DE DEUS  é um dos dons do Espírito Santo , o primeiro degrau na escadaria da santidade,  definido na Bíblia como sendo “o princípio da Sabedoria”, isto é, o primeiro degrau com vista à Sabedoria, que, por sua vez, é o mais elevado dos dons do Espírito Santo, aquele em que a alma já está totalmente imersa em Deus.

  1. Quem está familiarizado com a Bíblia encontra inúmeras vezes as expressões TEMOR DE DEUS, TEMER A DEUS, TEMENTE A DEUS, nunca se encontrando “Ter medo de Deus”, a não ser para definir o castigo que espera “os ímpios, os malvados, os pecadores, os inimigos de Deus, os que praticam a iniquidade, etc, todos os que praticam o mal” e não se arrependem nem se convertem à observância das Leis de Deus, expressas nos Mandamentos. Esses que não “Temem a Deus”, não têm “Temor a Deus” (=Temor de Deus) são os que “Têm medo de Deus” e têm motivos para isso, pois a terrível Justiça divina cairá sobre eles.

Resumindo: Tema a Deus e não tenha medo DELE!

  1. Algumas das expressões proferidas pelos intervenientes acima referidos são blasfémias. A blasfémia é um pecado gravíssimo. Eu considero-o um pecado contra o Espírito Santo, embora não esteja como tal catalogado. Trata-se de um insulto gratuito, atrevido, insolente, ostensivo, revelador de nítido desprezo e ódio satânico para com Deus. Há muitos mais casos de tragédias caídas como raios sobre os blasfemadores, sejam eles casos de suicídios, homicídios ou mortes repentinas inexplicáveis, misteriosas.
  2. O TITANIC – À medida que a sua construção lhe ia dando ares de monstro, os seus construtores trabalhavam em nítido desafio, provocação e blasfémia, cujos alvos eram Deus, os Padres, a religião Católica e o Papa. Antes da pintura final, podia ler-se no casco do navio:” No Pope, no God!”, traduzido por “Nem Papa nem Deus”!

Na sua viagem inaugural, em 10 de Abril de 1912, o navio que nem o Papa nem Deus podiam afundar, foi afundado em consequência de um choque lateral inesperado e violento contra um iceberg (montanha de gelo) que tinha marcado encontro com o navio. estando pontualmente no local certo à hora certa. Este navio, considerado inafundável, mesmo com quatro sectores inundados, não resistiu à inundação de cinco sectores e afundou-se no meio da noite e no meio do Atlântico, devido a um gigantesco rombo no casco lateral, quando a bordo tudo era festa. Desta tragédia salvaram-se poucos dos seus 2435 passageiros. Talvez tenha ecoado no universo aquele grito do Arcanjo Miguel e seus anjos, aquando do combate contra os anjos maus: “Quem é como Deus?”, grito que afundou milhões de demónios no inferno, criado para eles e seus seguidores.

Quanto ao fatal encontro do iceberg com o Titanic, poderão alguns objectar que se tratou de mera coincidência, mas, para Deus, não há coincidências, pois tudo no Universo caminha às Suas ordens ou com Sua permissão. O povo costuma dizer: “Com Deus não se brinca”!

Salmo 44 (45) – À vossa direita está a Rainha do Céu

Belas palavras brotam do meu coração!

Com os meus versos eu quero honrar o meu Rei,

a minha língua é pena guiada pela mão,

este meu poema ao meu Senhor dedicarei!

.

Entre os filhos dos homens és o mais formoso

e nos teus lábios a graça se derramou,

a tua beleza enche o teu povo de gozo,

por isso, o Senhor Deus para sempre te abençoou.

.

Tu te revestiste de glória e majestade,

com tua brilhante espada, à cintura cingida,

mostra  a tua heróica valentia, sem igualdade,

em defesa da justiça desaparecida!

.

Passeia a tua majestade vitoriosamente

pela causa da mansidão e da verdade!

Em teu poder se encontra a vitória somente,

tua dextra te diz como enfrentar a maldade.

.

A tua mão realizará feitos portentosos

com as tuas setas, na perfeição aguçadas!

A ti se submetem os povos orgulhosos,

depois de as suas hostes verem destroçadas.

.

O teu trono, ó Deus, se tece de eternidade,

de justiça é urdido o teu ceptro real,

amas a justiça, odeias a iniquidade,

e, com ela, todos  os que praticam o mal.

.

Por esse motivo, o Senhor, teu  Deus, te ungiu

com aquele óleo perfumado da alegria!

Aos teus companheiros Ele te preferiu,

na veste que a mirra, aloé, cássia, recendia.

.

No palácio de marfim é a lira tocada,

que os teus ouvidos se deliciam a ouvir!

À tua direita está a rainha coroada,

entre filhas de reis, com o  ouro de Ophir.

.

Presta atenção, filha! Inclina o teu ouvido!

Esquece o teu povo e a casa de teu pai!

Por tua beleza ficará o rei atraído

e de ti, por certo, enamorar-se vai.

.

Presta-lhe obséquio, pois ele é o teu Senhor!

O povo de Tiro virá com seus presentes,

seus nobres tentarão captar o teu favor,

não deixando seus olhos dos teus estar ausentes!

.

A rainha avança em seu porte de esplendor,

de brocados de ouro são seus ricos vestidos,

ela entra, com seu manto multicolor,

pelos pórticos do real palácio floridos.

.

No lugar de teus pais, teus filhos se verão,

príncipes sobre a Terra serão constituídos,

todas as gerações teu nome lembrarão.

Teus louvores serão pelos séculos ouvidos!

.

Ezequiel Miguel

Assunção da Virgem Maria ao Céu

Assuncao17Na eternidade fora pensada
para ser única, diferente,
pelo Espírito Santo marcada
com Seus traços no corpo e na mente.
.
Deus  A escolheu para ser a Mãe
Sua, também de todos os humanos;
se Filha de Deus ao mundo vem,
como Sua Mãe cabe nos seus planos.
.
Se, um dia, o Filho de Deus gerou,
pela promessa da Anunciação,
durante a vida O acompanhou,
como na Morte e  Ressurreição.
.
Isenta da mancha original,
também do tributo do pecado,
a Morte respeitaria umbral
que pela Graça fora selado.
.
Assim sendo, pôde Ela  escolher
como gostaria da Terra sair:
Imitar o Seu Filho e morrer
ou em vida para o Céu partir?
.
Mas, sendo do Filho imitadora,
outra alternativa não queria:
sendo dos homens co-redentora,
também pela morte passaria.
.
Sendo Maria a humana excepção,
desta excepção não tirou partido,
assim cumprindo uma obrigação
por  um dever  não atribuído.
.
Por ser a Virgem Imaculada,
isenta da culpa original,
foi  em Corpo e Alma ao Céu elevada
para ser Rainha Celestial.
.
A Árvore na Terra nascida,
no Paraíso foi transplantada,
continuando a dar  frutos  de Vida,
porque em Deus para sempre enxertada.

.

Ezequiel Miguel

Aparições da Virgem Maria em Fátima – IV

19 de Agosto de 1917, nos Valinhos, Aljustrel, Fátima

Nas suas Memórias, a Ir. Lúcia refere que esta Aparição ocorreu em 13 de Agosto, mas não deixou de salientar que esta data poderia não ser a data verdadeira, pois já não se lembrava bem. Ficou, porém, demonstrado que houve equívoco da sua parte. O equívoco deveu-se ao facto de naquele  dia 13 de Agosto os Pastorinhos estarem à guarda do Administrador de Vila Nova de Ourém, que apareceu lá por Aljustrel  e, servindo-se da mentira, os raptou, levando-os para V.N. de Ourém. A propósito deste rapto o Ti Marto, pai de Francisco e Jacinta, conta:

“Na manhã do dia 13 de Agosto – era uma segunda- feira – mas eu tinha dado as primeiras enxadadas numa fazendica pouco distante, quando me foram chamar que fosse imediatamente lá a casa. Ao entrar vi que estava lá muita gente de fora, mas isso já não havia que estranhar…lavei as mãos com todo o sossego, peguei num trapo para as limpar e mesmo assim limpando-as é que entrei na sala e dou com os olhos no Administrador.

Ti Marto – Então por cá, Sr. Administrador?

Adm. – É verdade, também lá quero ir ao milagre. Pois vamos lá todos! Levo os pequenos comigo no carro!… Ver e crer como S. Tomé… (Nervoso) Então os pequenos não aparecem ? Está-se a fazer horas. É melhor mandarem-nos chamar!

Ti Marto – Não é preciso que ninguém os convide! Eles lá sabem quando hão-de trazer o gado e aprontarem-se para ir.

Adm. – Ah! Finalmente eles aí vêm. Então, menino e meninas,  vamos já para a Cova da Iria, que eu levo-os no meu carro. Assim poderemos chegar lá mais facilmente, pois hoje deve haver por aí muita gente caminhando para lá!

Lúcia – Nós não queremos ir de carro. Preferimos ir a pé. Além disso, ainda é cedo e a Senhora só no pediu para estarmos lá por volta do meio dia! Muito obrigada pela oferta mas nós não aceitamos a boleia!

Adm. – Mas vós não vedes que é melhor irdes comigo? É que eu também lá quero ir para ver o que por lá se  passa. Sabe-se lá se a Senhora não quer também falar comigo! É que eu também gostava de a ver! No meu carro ninguém vos incomodará com perguntas, pedidos, empurrões, poeirada…

Ti Marto – Não se incomode o Sr. Administrador com isso! Eles lá hão-de ir ter!

Adm. – Pois então vão andando para Fátima, para a casa do Sr. Prior, que quero lá fazer-lhe umas perguntas!  Vamos então todos: os pequenos, o pai da Lúcia e o pai do Francisco e da Jacinta!…

Adm. – Bem, já chegámos à casa do Sr. Prior. Vamos subir! Venha a Lúcia em primeiro lugar!

Ti Marto – Vai lá, Lúcia!…

Prior de Fátima –  Quem te ensinou a dizer aquelas coisas que andas por aí a dizer?

Lúcia –  Aquela Senhora que eu vi na Cova da Iria.

Prior – Quem anda a espalhar tais mentiras, que fazem tão mal, como a mentira que vocês disseram, será julgado e irá dar ao inferno, se não for verdade; de mais a mais que muita gente anda enganada por vocês.

Lúcia – Se quem mente vai para o inferno, então eu não vou para o inferno, porque não minto, e digo só o que tenho visto e o que a Senhora me tem dito. E quanto ao povo que ali vai, só vai porque quer; nós não chamamos  ninguém.

Prior – É verdade que aquela Senhora vos confiou um segredo?

Lúcia – Sim, mas não o posso dizer. Que, se V. Revcia quer sabê-lo, eu peço à Senhora e, se me der autorização, digo-lho.

Adm. – Isso são coisas sobrenaturais. Vamos adiante! …  Vamos embora! Entrai os três na minha charrete, que está ali ao fundo das escadas. Eu levo-vos já à Cova da iria! (1)

Ti Marto – “Os pequenos começaram a descer e o carro, sem eu dar conta, tinha mesmo vindo encostar ao fim da escada. Ora aquilo estava mesmo a jeito e o Administrador, num instante, conseguiu que eles entrassem para dentro do carro. O Francisco pôs-se à frente e as duas cachopas atrás. Estava aquilo tão jeitoso que era uma beleza. O cavalo partiu num trotezinho em direcção à Cova da Iria e eu aliviei-me um tanto, mas ao acolher-se na estrada fez uma reviravolta, e foi chicote por cima do cavalo, que partiu como um raio. Estava bem estudada!…Estava bem armada!…Foi bem feita!…Mas não havia remédio!” (1)

No dia 14 de Agosto as três crianças foram submetidas a um cerrado interrogatório pelo Administrador,  que não conseguiu forçá-las a dizer o segredo, apesar de recorrer a promessas e ameaças. Nem  a promessa de moedas de oiro nem a ameaça de irem parar a um caldeirão de azeite a ferver surtiram efeito. Ficava ainda uma esperança de umas horas na cadeia que os tornassem mais colaborantes com o Administrador. Mas nem isso deu o resultado pretendido.

A Aparição nos Valinhos (19 de Agosto de 1917)

Após os sinais do costume( relâmpagos),  Nossa Senhora esperou que a Jacinta chegasse, para se revelar sobre uma azinheira um pouco maior que a da Cova da Iria.

Lúcia – Que é que Vossemecê me quer?

V. MariaQuero que continueis a ir à Cova da Iria no dia 13 e que continueis a rezar o terço todos os dias.

Lúcia – Queria pedir-Lhe para fazer um milagre a fim de que todos acreditem .

V. MariaSim! No último mês,  em Outubro, farei um milagre para que todos creiam nas minhas aparições. Se não  vos tivessem levado à aldeia (Vila Nova de Ourém) o milagre teria sido mais grandioso. Virá S. José com o Menino Jesus para dar a paz ao mundo. Virá também Nossa Senhora do Rosário e Nossa Senhora das Dores.

Lúcia – O que é que Vossemecê quer que se faça do dinheiro e das outras ofertas que o povo deixa na Cova da Iria?

V. MariaFaçam-se dois andores; um leva-o tu com a Jacinta e outras duas meninas vestidas de branco; o outro leve-o o Francisco com mais três meninos também vestidos de opas brancas. O dinheiro dos andores é para a festa de Nossa Senhora do Rosário.

Lúcia – Queria pedir-lhe por aqueles doentes que…

V. MariaSim, alguns curarei durante o ano. Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, pois vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas.

Desta vez, o Francisco e a Jacinta colheram dois raminhos da pequena azinheira onde Nossa Senhora pousara os seus pés e, deixando a Lúcia a guardar as ovelhas, regressaram muito contentes a casa. À  porta da casa de Lúcia encontraram  D.Maria Rosa dos Santos, mãe de Lúcia.

Jacinta – Ó tia, vimos outra vez Nossa Senhora!…Nos Valinhos!…

D. Maria Rosa – Ai, Jacinta! Sempre vocês me saíram uns mentirosos! Nem que Nossa Senhora lhes vá aparecer agora em toda a banda por onde vocês andam!…

Jacinta – Mas é que vimos. Olhe, tia, Nossa Senhora prantou um pé neste raminho e outro neste!

D. Maria Rosa – Dá-me cá! Deixa ver! (Cheirando) Mas a que cheira isto? …Não é perfume…não é incenso…nem sabonete…cheiro a rosa também não é…nem nada que se conheça…Mas é um cheiro bom! …(Para todos os presentes): Quereis vós também cheirar?…Fica aqui, sempre se há-de encontrar alguém que saiba dizer a que é que cheira este ramo!

À noite:

D. Maria Rosa – Eh! Lúcia, Maria dos Anjos,… quem tirou daqui o raminho?… Ele estava aqui neste vaso!… Será que agora também há ladrões  nesta casa? Não bastam já os problemas do costume?… Lúcia, foste tu que o escondeste?

Lúcia – Ó mãe, eu nem sabia que estava cá um raminho da azinheira! Mas o raminho não é da Jacinta ou do Francisco?

D. Maria Rosa – Realmente!… Hum!…Eu cá  já desconfio!… Quem rouba o que é seu…fica perdoado!… Mas amanhã já tiro isso a limpo!…

Ti Marto – Eu tinha ido nesse dia, à tarde, dar uma volta por umas fazendicas e , ao sol posto, voltei para casa. Quando ia quase a entrar, encontro um fulano meu amigo, que me diz assim:

Fulano – Ó Ti Manel! O milagre já está mais averiguado!

Ti Marto – Cá por mim não sei de nada!

Fulano – Certo que não sabe de mais nada?

Ti Marto – Eu não! Que havera eu de saber mais?

Fulano – Pois fique sabendo que Nossa Senhora apareceu, há um bocado, nos Valinhos, aos seus filhos e à cachopa do Abóbora. Pois olhe que é certo, Ti Manel, e sempre lhe digo que a sua Jacinta tem uma virtude qualquer. Ela não tinha ido com os outros e veio cá um a chamá-la e, só quando ela lá chegou é que Nossa Senhora apareceu.

Ti Marto – Eu encolhi os ombros sem ter palavra que dissesse, mas entrei no pátio a pensar no caso. A mulher não estava em casa; fui andando para a cozinha e lá me sentei. Nisto entra a Jacinta muito contente com um raminho na mão libertando um perfume um inexplicável e magnífico cheiro que eu nem sabia explicar,  assim dum palmo e a dizer-me:

Jacinta – Olhe,  pai! Nossa Senhora voltou a aparecer outra vez à gente nos Valinhos!

Ti Marto – Que é que trazes aí?

Jacinta – É o raminho onde Nossa Senhora pôs os pés.

Cheirei-o, mas o perfume tinha desaparecido. (1)

 .

(1)    Extraído e adaptado de : Pe João De Marchi – Era uma Senhora mais brilhante que o sol –Missões da Consolata, 8ª Edição, pp.156-159 , Fátima, 1966

Ezequiel Miguel

.

Artigos relacionados:

. Aparições da Virgem Maria em Fátima – I

. Aparições da Virgem Maria em Fátima – II

. Aparições da Virgem Maria em Fátima – III

.  O Administrador de Ourém

. Interrogatório dos Pastorinhos em  Ourém

. Lúcia e o Sr. Prior de Fátima

. A mãe de Lúcia – crer ou não crer

Salmo 32 (33) – Feliz o Povo que o Senhor escolheu para Sua herança

ceu

Vós, que sois justos, vinde o Senhor aclamar!

Vós, rectos, puros de coração, O exaltai!

Vinde com harpa e lira salmos recitar!

Com arte e alma um cântico novo cantai!

 

A palavra do Senhor é de rectidão,

as Suas obras nascem da Sua fidelidade,

a justiça e o direito são Sua paixão,

pela terra inteira se vê a Sua bondade.

 

Pela Palavra do Senhor foi o céu criado,

o sopro da Sua boca a beleza lhe doou,

pôs as águas do mar em recinto fechado,

na Terra, oceanos vários desenhou.

.

Ante o Senhor incline-se a Terra inteira,

temam-No todos os habitantes do mundo!

Ele diz e a Sua palavra é verdadeira,

o que ordena se cumpre, no cimo ou no fundo.

.

Aos povos pagãos o Senhor frustrou os planos,

levou ao malogro  os projectos das nações,

o do Senhor é eterno,  imune aos  danos,

sendo válido para  todas as gerações.

.

Feliz a nação cujo Deus é o Senhor,

o Povo que Ele escolheu para Sua herança,

lá do Céu Ele contempla e vê com rigor

todos os homens, com olhar que tudo alcança.

.

Do alto trono, onde o Senhor está sentado,

todos os actos do homem pode observar,

o coração do homem foi por ele moldado

e nada do que ele faz escapa ao Seu olhar.

.

Um grande exército pode o rei não salvar,

um herói não se salva por sua valentia,

é pura ilusão só no cavalo confiar,

a sua fogosidade não dá garantia.

.

Os que O temem estão sob o olhar do Senhor,

que das garras da morte liberta as suas almas;

elas, que vivem na esperança do Seu amor,

viverão, no tempo da fome, vidas calmas.

.

Quanto a nós, no Senhor, nosso Deus, esperamos,

é Ele o nosso amparo e a nossa protecção,

confiança em Seu Nome santo depositamos,

Nele exulta e se alegra o nosso coração.

.

Venha, Senhor, sobre nós, a Vossa bondade!

Dentro de nós permaneça em Ti a confiança!

Vê, não nos abandones em nenhuma idade,

pois és Tu que sustentas a nossa esperança!

.

Ezequiel Miguel

Pecados contra o Espírito Santo – I

São estes os pecados contra o Espírito Santo:

  1. Desesperação de salvação
  2. Presunção de se salvar sem merecimento
  3. Negar a verdade conhecida como tal
  4. Ter inveja das mercês que Deus faz a outrem
  5. Obstinação do pecado
  6. Impenitência final

Este assunto não é fácil de abordar nem se descobrem tentativas satisfatórias para o fazer. Os catecismos vulgares pouco explicam, por isso, deixam margem para diversos tipos de visão do problema, pois há pecados que nós consideramos normais, como outros quaisquer, mas, no fundo, poderão ser incluídos na categoria de pecados contra o Espírito Santo. Só Deus poderá ser o Juiz, uma vez que nada Lhe fica escondido, nem daquilo que somos nem daquilo que fazemos nem de como o fazemos ou não o fazemos.

Já ouviu certamente dizer, ou leu, que Deus perdoa todos os pecados, desde que haja arrependimento sincero, firme e pronto propósito de emenda e confissão sacramental   ( para aqueles que são baptizados). Deus, inclusivamente, disse: ” Ainda que os vossos pecados sejam vermelhos como o escarlate…ficarão mais brancos que a neve (Is 1, 18) Esta ideia do arrependimento e do perdão de Deus atravessa muitos dos Salmos compostos pelo Rei David, cujo pecado o levou a muita penitência e a confessar: “Tenho sempre o meu pecado diante de mim…” ( Sl 50 ).

Cristo também perdoou a inúmeros pecadores arrependidos e até perdoaria a Judas, se este lhe implorasse o perdão, acompanhado de um sincero arrependimento. Mas, um dia, Cristo fez uma revelação surpreendente e aparentemente incompreensível, ao dizer: “Os pecados e blasfémias contra o Espírito Santo não terão perdão nem neste mundo nem no outro” ( Mt 12,31-32), o que quer dizer que darão condenação eterna sem margem para dúvidas.

Afinal, como é?  Deus não perdoa todos os pecados? Não será visível uma clara contradição entre a pregação de Cristo e a realidade? Onde estará a gravidade dos pecados contra o Espírito Santo, para serem encarados desta maneira tão trágica? Será que Deus abre excepções ao Seu perdão, mesmo havendo arrependimento e as outras condições necessárias? As respostas a estas perguntas parecem fáceis e parecem difíceis e têm dado muitas voltas às cabeças dos teólogos. Se Cristo apresentou as coisas assim, tem de haver uma razão forte, de uma lógica indiscutível e sem deixar dúvidas a ninguém.

A frase de Cristo, acima referida, vem na sequência do comentário proferido pelos escribas e fariseus que O acusavam de expulsar demónios em nome de Belzebu (um demónio). Ninguém pode medir a gravidade desta sentença nem a malícia diabólica em que tal pecado mergulha. É praticamente colocar Cristo ao nível dos demónios ou até abaixo deles, uma vez que pressupõe que é Belzebu quem dá o poder a Cristo, acabando eles por acusar Cristo de estar possuído por Satanás, à semelhança de qualquer endemoninhado. “ Os doutores da Lei…afirmavam: Ele tem Belzebu; e ainda: É pelo chefe dos demónios que Ele expulsa os demónios…” (Mc 3, 22)…

Mas Cristo foi peremptório:” Em verdade vos digo: todos os pecados e todas as blasfémias que proferirem os filhos dos homens, tudo lhes será perdoado, mas quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca mais terá perdão: é réu de pecado eterno….Disse-lhes isto porque eles afirmavam: Tem um espírito maligno” ( Mc 3, 28-30). Ora, na outra vida, após a morte, somente no Purgatório  poderão os pecados (veniais) ser perdoados. Ser  réu de pecado eterno é a mesma coisa que dizer que cairá no inferno, onde o pecado nunca se apagará.

Veja se há blasfémia contra o Espírito Santo no caso que vou expor!  Algum tempo antes de 8 de Dezembro de 1980, John Lennon, um dos famosos “Beatles”, vangloriava-se, dizendo : “Nós, ( os Beatles) somos mais famosos que Jesus Cristo”. Exactamente na data acima referida, alguém o esperava à porta de casa, de regresso do seu estúdio. Um homem  perguntou-lhe: “O senhor é que é o John Lennon?” – Após a resposta afirmativa, John Lennon caía morto por tiros de pistola.

A blasfémia é um insulto directo, atrevido, insolente, grosseiro, ofensivo, em extremo, à majestade divina, conhecendo-se outros casos em  que a justiça de Deus caiu implacável sobre o blasfemador.

Desesperação de salvação – É o pecado de Judas Iscariotes, que recusou todas as tentativas de Cristo e da Virgem Maria para se converter. Ele agiu na base de que o seu pecado era tão grande, que o seu Mestre já não podia agir sobre a sua malícia de insistir em permanecer no pecado, com nítido desprezo da Misericórdia Divina, que o perseguiu até ao fim. Ao recusá-la, ele colocou-se num grau superior, pondo a sua vontade ao serviço do desespero, não acreditando em Cristo, que ele conhecia bem, pois já O tinha visto perdoar a grandes pecadores e a ele próprio. Cristo já lhe perdoara várias vezes pecados que não seriam de supor num Apóstolo.

 É evidente que, ao ver o seu plano, gizado por uma mente ambiciosa e oportunista, desfazer-se, entrou em desespero, que terminou no suicídio. Já tenho lido e ouvido que Judas não se condenou, mas o que Cristo disse a seu respeito (que era melhor não ter nascido), não alimenta essa benevolência e a dúvida quanto à sua sorte final. Num dos livros do Padre italiano Gabriele Amorth, exorcista, ele relata a presença de Judas numa mulher possessa, dizendo ele (Judas) que está catalogado entre os demónios e não nos condenados normais.

 A desesperação de salvação:

. É também um pecado contra o primeiro Mandamento, por ser um pecado contra a esperança em Deus, contra a possibilidade de se salvar, contra a ideia de atingir os recursos necessários ou o perdão de Deus para os seus pecados.

. É pecado contra a bondade de Deus, contra a Sua Misericórdia, contra a Sua fidelidade no cumprimento das promessas que faz de perdoar os pecados mais negros, desde que o pecador se arrependa.

. É também um pecado de soberba, por colocar a Misericórdia divina abaixo de algo produzido pelo homem, neste caso, a crença de que Deus o odeia e já não poderá fazer nada por ele, o que o levará a desistir de invocar a Sua Divina Misericórdia e a considerar-se antecipadamente perdido, condenado.

. É um grave acto de desprezo pelo Sacramento da Penitência (Confissão), instituído por Cristo para tirar os pecados do mundo. O pecador recusará também confessar-se, concluindo que já nada valerá a pena, ou porque pensa na gravidade dos seus pecados. Também pode acontecer que, por falta de prática sacramental, o pecador não acredite na eficácia de uma boa Confissão ou ainda porque já não sabe confessar-se ou que a vergonha lhe tape o coração e a boca.

È aqui que Deus faz milagres, ao aplicar a almas prestes a cair no inferno, os méritos de alguma alma que intercede e se sacrifica …pelos pecadores. /// inda porque Deus não lhe aplica as orações e os méritos das boas obras de alguma alma expiadora/reparadora. A acção de Satanás irá no sentido de reforçar o deses Deus sabe antecipadam,entepero, sugerindo que Deus não poderá perdoar, faça a pessoa o que fizer, levando assim à anulação de toda a esperança. Se acabar por morrer assim (sem arrependimento e sem invocar a Misericórdia divina)…comete pecado contra o Espírito Santo, não perdoável nem neste mundo nem no outro, conforme a Palavra de Cristo. Os pecados e blasfémias contra o Espírito Santo provêm de uma profunda malícia e atacam o Poder, a Bondade, o Amor, a Misericórdia, a Santidade…de Deus, porque é Ele (o Espírito Santo) o Amor que circula do Pai para o Filho e do Filho para o Pai. É através Dele  que o Pai e o Filho exercem os Seus divinos atributos, por isso, uma blasfémia ou pecado contra o Espírito Santo acaba por ser um acto malicioso contra o conjunto da Santíssima Trindade, se não for simplesmente uma fraqueza humana, como tantas outras.

Debrucemo-nos um pouco mais sobre a blasfémia dos judeus que assistiram aos milagres de Cristo, incluindo a ressurreição de mortos e a expulsão de demónios.  Eles viram que Cristo não fazia milagres em nome de Deus, mas fazia-os dizendo:” Eu quero…, eu te ordeno, …fica curado,…vê…, ouve,… os teus pecados te são perdoados,… levanta-te e anda, faça-se como desejas,… “etc. Nos milagres e perdão dos pecados, Cristo actuava como Deus e não como Homem, sob a acção do Espírito Santo. Rebaixar Cristo e atribuir o Seu poder aos demónios,…dificilmente se pode inventar pior. Daí, a sua gravidade, que o inclui nos pecados contra o Espírito Santo.

Pecados imperdoáveis?

Nas palavras de Jesus Cristo, estes pecados são imperdoáveis. Porquê, uma vez que outra passagem da Bíblia diz que Deus perdoa toda a espécie de pecados. Será Deus a contradizer-se? Não! Deus sabe antecipadamente em que condições se encontrará o pecador  na proximidade da morte, tendo em vista a salvação ou a condenação. Sabe que tipo de vida o pecador levou, se praticou as exigências da Fé, se tem a noção dos pecados cometidos, se desprezou Deus, a Igreja, a Doutrina, os Sacramentos, os Mandamentos, etc Assim, poderá concluir-se que quem cai na desesperação de salvação é porque se deixou amarrar pelo demónio e a sua própria vontade já não é capaz de reagir. Também se pode perguntar: Como vai alguém arrepender-se e invocar a Misericórdia de Deus, se sempre, durante a sua vida, desprezou Deus e tudo o que com Deus se relaciona? Fica aí o exemplo de Judas Iscariotes como fonte de meditação…

E aqueles que  repousam tranquilos no:  “Eu cá confesso-me a Deus”? Estes são aqueles que tapam um alçapão com bonito papel de parede. Para todos os que receberam o Baptismo, é a Confissão  bem feita a um sacerdote que apagará qualquer tipo de pecados, desde que bem confessados. Para isso, consulte o “CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA”, Nºs  1420-1498

 .

Ezequiel Miguel

 .

Artigos relacionados:

. E Judas foi enforcar-se

. Última tentativa de Cristo para salvar Judas

. Eu, pecador, me confesso

Previous Older Entries

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.