Jesus em casa de Zaqueu

(Realidade e ficção)

( Cf. Lc 19, 1-10)

.

zaqueu1

Do evangelho:

“Tendo entrado em Jericó, Jesus atravessava a cidade. Vivia ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe de cobradores de impostos. Procurava ver Jesus e não podia, por causa da multidão, pois era de baixa estatura. Correndo à frente, subiu a um sicómero para o ver, porque devia passar por ali. Quando chegou àquele local, Jesus levantou os olhos e disse-lhe: “ Zaqueu, desce depressa, pois hoje tenho de ficar em tua casa!”. Ele desceu imediatamente e acolheu Jesus, cheio de alegria. Ao verem aquilo, murmuravam todos entre si, dizendo que tinha ido hospedar-se em casa de um pecador.

Zaqueu, de pé, disse ao Senhor: “ Senhor, vou dar metade dos meus bens  aos pobres e,  se defraudei alguém em qualquer coisa, vou restituir-lhe quatro vezes mais”! Jesus disse-lhe:  “Hoje veio a salvação a esta casa, por este ser também filho de Abraão, pois o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”! ( Lc 19, 1-10)

Zaqueu,  publicano (= chefe de cobradores de impostos), contratado  e pago pelos romanos, era odiado, como todos os publicanos e cobradores de impostos, os quais tinham de comum o facto de se aproveitarem  abusivamente de uma parte  dos impostos para proveito pessoal. Assim, na língua do dia a dia, eram tidos por ladrões, sem que alguém visse o meio de modificar as coisas, uma vez que a força e a autoridade dos romanos eram inquestionáveis. Eram considerados pecadores públicos e Cristo refere-se a eles com alguma frequência. Uma das acusações que os fariseus faziam a Cristo era o de comer com prostitutas e publicanos, que eles consideravam a ralé do povo judeu. Tal como o apóstolo Mateus, ex-cobrador de impostos,  também  Zaqueu vivia em desassossego com a sua vida, pois os fantasmas da desonestidade e da riqueza, adquirida pela extorsão  de impostos, não lhe davam o sono dos justos, apesar de o seu nome  significar “ justo”, “puro”.

Zaqueu tinha consciência de que não era nem uma coisa nem outra, antes se sentia ladrão e muito mais. Já ouvira falar de Jesus, que curava todo o tipo de doenças,  desde cegos a paralíticos e leprosos, expulsava demónios, pregava uma doutrina nova, convertia, perdoava, ressuscitava. Mas ele não só ouvira falar Dele, mas também já O vira de longe, pois esteve presente em uma das pregações do chamado Sermão da Montanha, onde Jesus falara  das riquezas, bem ou mal adquiridas, e verberou todos aqueles que se deixavam dominar por elas, ao ponto de não se importarem com os pobres, doentes e miseráveis que viviam ao lado. Nunca mais esquecera as Palavras de Jesus. “Bem aventurados serão os pobres  em espírito, porque deles é o reino dos Céus”.

Estas palavras não lhe saíam da cabeça, davam-lhe insónias, faziam-no rebolar na cama, perdera boa dose do apetite, do sono, da alegria e da paz de espirito e já se convencera que a sua riqueza mal adquirida seria a palha que alimentaria as chamas do fogo da geena (inferno). A consciência começara acusá-lo e ele desejava ardentemente encontrar-se cara  a cara com Jesus, mas  não sabia como. Também já ouvira dizer que Ele tinha convidado um colega publicano e cobrador de impostos para o grupo de discípulos que O acompanhava por todo o lado. Ocorreu-lhe a ideia: E se  Jesus também o convidasse, tal como  convidara Mateus?

Certo dia, estando Zaqueu na sua banca de cobrança de impostos, um ex-leproso, recentemente curado por Jesus, meteu conversa com ele.

Malaquias – Olá, Zaqueu! Já te conheci mais alegre do que estás hoje! Até parece que o mundo vai acabar por tua causa! Porque estás tão macambúzio?

Zaqueu – Olha, estou chateado, mas não é por causa de ninguém!

Malaquias – Será que a tua fortuna está a ir abaixo?

Zaqueu – Não! Não está a ir, por enquanto, mas irá!…

Malaquias – Estás doente ?

Zaqueu – Sim e não!

Malaquias – Dormiste mal?

Zaqueu – Dormi! Durmo mal todas as noites!

Malaquias – Bem! Não faço mais perguntas, mas parece-me que algo se passa contigo!

Zaqueu – E tu, que fazes por aqui? Tu não eras leproso, assim como a tua mulher e os teus filhos?

Malaquias – Sim, é verdade, mas morreram todos e só fiquei eu! Eu estava já mais morto do que vivo, mas  Jesus  de Nazaré curou-me e deu-me nova vida! Bendito seja Ele!

Zaqueu –  Jesus de Nazaré? Como é que isso aconteceu?

Malaquias – Foi assim: Eu sabia que um dia Ele passaria no caminho perto do túmulo onde eu vivia, isto é, onde eu definhava, lá perto de Jerusalém. Certo dia, vi uma multidão no caminho, com um homem alto à frente, que sobressaía dos outros, e disse para mim: ” É Ele”! Então, aproximei-me do caminho e comecei a gritar com toda a força.” Jesus,  filho de David, tem piedade de mim !” – Sabes o que Ele fez? Ele desviou-se do caminho, foi até junto de mim,  sorriu para mim, olhou-me olhos nos olhos e perguntou-me: “O que queres de Mim?“. Eu respondi: “ Senhor, cura-me, pois sou um desgraçado”! Então, Ele perguntou-me: “ E tu acreditas que Eu posso curar-te”? Eu respondi que sim, que acreditava. Então, Ele disse-me: “Eu quero! Fica curado! Vai mostrar-te ao sacerdote”! Naquele momento, senti um calor a percorrer-me o corpo e, pronto! Desapareceram todas as minhas chagas e fiquei como novo.

Zaqueu – Tu, que O viste de perto, diz-me: Como é Ele? Eu já uma vez O vi, mas foi de longe. Conta-me! Como é Ele?

Malaquias  – Ó Zaqueu, eu nunca vi ninguém assim! Ainda me parece um sonho! Passei do inferno ao paraíso, graças a Ele! Ó Zaqueu, nem sonhas como Ele é, visto de perto como eu O vi! É alto, de porte majestoso, loiro, de olhos azuis muito doces, de um sorriso divino que ilumina a alma, com uma voz suave, melodiosa, meiga,…e até me pareceu que vi uma auréola de luz em volta da Sua cabeça e  toda a Sua face irradiando luz. Nunca vi ninguém assim! Quem me dera voltar a encontrá-Lo! Se voltar a vê-Lo, peço-Lhe que me admita como Seu discípulo, para andar sempre com Ele. Então, a minha felicidade seria completa. Mas olha! Dou-te uma alegre notícia: Está previsto que Ele venha hoje a Jericó e é por causa disso que eu vim até aqui. Penso que uma grande multidão já O espera às portas da cidade.

Zaqueu – O quê? Não me digas que Ele vem cá hoje! Tenho umas ânsias de me encontrar também com Ele! Eu tenho muito interesse em vê-Lo e aproximar-me Dele, mas eu sou de pequena estatura e como é que eu posso chegar até  Ele, se anda sempre rodeado e acompanhado de imensa gente?  Outra coisa: Tu nunca te revoltaste com as tuas desgraças? Como estás de ânimo?

Malaquias – Oh, agora estou calmo, feliz, …já esqueci tudo o que passei e agradeço todos os dias a Yahweh e ao Seu Messias. Digo-te uma coisa: Se tu tens muita necessidade de te encontrar com Ele, Ele virá de certeza ao teu encontro, porque Ele disse uma vez que quem O procura, encontra-O. Isso aconteceu comigo e vai acontecer contigo. Ele é o Messias, o Filho de Deus, e sabe quem O procura e onde está! Por onde passa, Ele cura todos os doentes que acreditam Nele! Espera e verás!

Zaqueu – Sê bendito pelas notícias e pela esperança que me dás. Bem aventurados os pés do mensageiro que trás boas notícias. É o que diz o profeta Isaías… ou outro qualquer!

Malaquias – Escuta! Ouço gritos de hossana! Queres tu ver que Ele vem aí? Olha, lá ao fundo da rua! É Ele, com muita gente  com ramos de palmeira e oliveira. Prepara-te!

Zaqueu, ( arrumando a bancada apressadamente e olhando para todo o lado) Se vem muita gente….Já sei! Vou subir rapidamente a uma árvore!  Vem comigo e ajuda-me a subir àquela, além, que é a mais baixa! De lá, poderei vê-Lo e acenar-Lhe. Oxalá Ele olhe para mim!

Malaquias – Ele vai olhar para ti! É garantido!

 Jesus –  (Ao passar) Zaqueu, desce daí depressa, porque hoje quero ficar em tua casa!

E Zaqueu deixou-se escorregar pela árvore abaixo, acompanhou Jesus, lado a lado, até chegar a sua casa, mais propriamente à enorme vivenda  e ao enorme jardim que a não menos enorme riqueza lhe permitiu construir.

Zaqueu – Chegámos! É esta a minha casa, para a qual Te convido, assim como aos Teus discípulos. Cabemos lá todos e há comida e dormida para todos.

Jesus – Bonita construção, Zaqueu!…O Senhor ajudou-te!…Ele foi magnânimo para contigo!

Zaqueu – Bem, isso tem muito que se lhe diga!… Tu, que conheces a vida de cada um, sabes como a consegui construir… Eu passei a vida dominado pela ganância, roubei sempre que me foi possível, nunca respeitei os pobres e…muito mais! Além de ser ladrão, desonesto,…ainda tenho outros vícios, contando com a Tua ajuda para me ver livre deles. Mas chegou a hora de me redimir e endireitar os meus  caminhos, que são tudo menos planos e rectos.” Senhor, vou dar metade dos meus bens aos pobres e, se defraudei alguém em qualquer coisa, vou restituir-lhe quatro vezes mais”! A Ti vou dar em dinheiro o equivalente a metade da minha riqueza e aos outros… facilmente os encontro, pois sei quem são e o que lhes tirei indevidamente.

Eu vivia inquieto e queria encontrar-me Contigo, para me curares desta minha doença da alma  e de outras que também me incomodam…e que me fazem viver com medo. Como eu Te agradeço, Senhor! Sei que Tu disseste um dia: “Quem Me procura, encontra-Me”! Eu já Te procuro desde aquele dia em que estive entre os Teus ouvintes, quando pregavas as bem-aventuranças. O que disseste sobre os pobres em espirito, sobre as riquezas bem ou mal adquiridas e também sobre os puros de coração, porque verão a Deus…deixou-me inquieto. Aquilo atingiu-me  em cheio e deixou-me meio atordoado, tal como se tivesse sido atingido por pedras lançadas por uma catapulta. Cada uma das Tuas palavras atingia-me no peito com estrondo. A partir daí,  tornou-se para mim urgente  encontrar-me Contigo. Isso caiu-me hoje em sorte e quero tirar o máximo proveito.

Jesus – Eu sei disso tudo, Zaqueu! Eu vi-te lá no monte! Eu sou o Caminho, a Verdade, a Vida e a Luz do mundo. Eu vim ao mundo  para que todos se arrependam e endireitem os caminhos tortuosos de suas vidas. Era isso que o João (Baptista) pregava: “Endireitai os caminhos do Senhor, enchei os vales e arrasai os montes…”! E ele também disse: “ Eis o Cordeiro de Deus, Aquele que tira o pecado do mundo”! Pergunto-te, Zaqueu: “A quem se referia o João Baptista”?

Zaqueu –  Referia-se a Ti, Senhor! Mestre, a partir de hoje quero começar uma nova vida! O velho Zaqueu vai morrer e  ressuscitar, com a Tua ajuda!

Jesus – Hoje veio a salvação a esta casa, pois tu também és filho de Abraão e o Filho do Homem veio a ti para te salvar, porque, como tu reconheces, estavas perdido. Que a paz fique contigo e com os que moram na tua casa!  Agora, Zaqueu, enquanto procedeis à preparação da refeição, permite-me que Eu vá ao encontro de outros que vieram também até aqui, com cânticos e  gritos de hossana ao Messias de Israel. Eles esperam por Mim lá fora. Depois, dar-te-ei a alegria de te sentares à mesa a meu lado.

Zaqueu –  Sim, Mestre, mas para a minha alegria ser completa, exponho-Te já um desejo, pois posso não ter outra ocasião para To expor. É este: Admites-me no grupo dos teus discípulos?

Jesus – Admito! Depois de convertido e teres feito o que prometeste, continua na tua profissão, mas agora como um verdadeiro discípulo Meu: honesto, justo, fiel, sincero, puro em tua vida particular e pública,…e dá testemunho de Mim nesta cidade de  Jericó, levando os habitantes a perguntarem-se como é que Zaqueu está diferente. Fala de Mim como Meu verdadeiro discípulo! Depois, voltaremos a encontrar-nos.

“É mais fácil a uma corda passar pelo buraco da agulha do que um rico  entrar no Reino dos Céus…mas a Deus tudo é possível e  nada é impossível” Mt 19,24-26)

Comentário sobre as lições de Zaqueu

  1. Zaqueu é o exemplo daqueles que, sendo ricos, se poderão salvar. É um daqueles casos em que o camelo (=corda) passou pelo buraco da agulha.
  1. Felizes aqueles que ouvem a palavra de Deus e a cumprem.

 A Palavra de Deus tem força, mas não é automaticamente que produz efeito nas almas. Tal como a chuva, ela molha, mas é preciso que a pessoa se deixe molhar, não se servindo de tapa-chuvas, guarda-chuvas e outras protecções contra…, nomeadamente preconceitos, opiniões e pontos de vista antecipadamente arreigados na alma e qua actuam como carapaças imunes à Palavra de Deus. Neste assunto, a pessoa tem de se despir de palavreado como este: “ A mim esta passagem diz-me que…Eu penso que… A minha opinião sobre isso é que…” etc.  A Palavra de Deus diz o mesmo para todos, sendo abusivo e blasfemo engendrar manobras para torcer, distorcer, diminuir, cortar, acrescentar, desvirtuar, etc, de modo a que tudo coincida com aquilo que nós queremos ou que se coadune com uma vida em desarmonia com os ditames e as exigências que a Palavra de Deus implica. Aproveito para lembrar, àqueles que são baptizados e militam fora da Igreja Católica, que devem  orientar as suas vidas por uma Bíblia Católica e pelo Catecismo da Igreja Católica, onde encontram tudo o que é necessário para a salvação.

3.Exemplo de decisão radical e corajosa.

 Uma decisão como a de Zaqueu, de subir a uma árvore para ver Jesus,é mesmo de coragem, não se importando com o ridículo da situação nem no presente nem no futuro. Também não se importou com as inimizades que viriam depois nem com as possíveis perseguições por parte das autoridades do Templo. Toda a conversão traz (pode trazer) custos, pois leva necessariamente a mudanças radicais que podem ser difíceis, dolorosas, lentas.

  1. Indemnizar pelos prejuízos causados/ devolução de bens roubados

É de elementar justiça devolver o que é roubado, acrescentando os juros e a paga pelos prejuízos morais. Se neste mundo, aquele que roubou  não  restitui nem indemniza, no outro mundo terá, minimamente, longos anos de purgatório, se não vier a ser condenado por infracção grave do 7º Mandamento:” Não roubarás!”

  1. Exemplo de humildade e reconhecimento dos defeitos/pecados/limitações.

É necessária humildade  e autoconhecimento para reconhecer os próprios defeitos, vícios, pecados, limitações, o que não é nada fácil. Para um médico tratar um doente, é preciso que este se aceite como tal. O mesmo se passa com Deus em relação a nós, que também gosta de ouvir, confessado com sinceridade e humildade: “Tende piedade de mim, que sou pecador”! Cristo contou aquela parábola do fariseu que rezava(?) de pé, orgulhoso, santo, perfeito, caridoso, cumpridor perfeito da Lei, em contraste com o publicano, ajoelhado lá ao fundo do Templo, suplicando humildemente, batendo no peito:” Perdoa-me, ó Deus, que sou pecador”! Cristo também disse: “Todo aquele que se humilhar será exaltado e todo aquele que se exaltar será humilhado”.  E: “ Aquele que quiser ser o maior faça-se o mais pequeno”! Daqui se infere que há grandeza na humildade, ingrediente essencial de toda a santidade.

  1. Exemplo de se virar para Deus na busca intensa de ajuda

Zaqueu reconheceu a sua incapacidade para  vencer, por si só, as suas fraquezas. É o que todos nós temos de fazer, mas, primeiro, temos fazer uma introspecção séria, honesta, sincera, profunda, se possível com a ajuda de um psicólogo, de um sacerdote, em direcção espiritual, ou com a ajuda daqueles que vivem mais próximo de nós, pois eles, podem ignorar os seus próprios defeitos, mas conhecem os nossos… e nós, os deles! É a realidade de vermos o argueiro no olho do outro e não vermos a trave/ o barrote no nosso.

  1. Exemplo do poder da Palavra divina

A Palavra de Cristo deixou Zaqueu a fermentar, a incomodar, a causar reacções que depois levaram a massa a levedar, até finalmente sair um produto acabado – a conversão. Em seu íntimo, as decisões de mudar de vida já tinham sido trabalhadas e acabadas, mesmo antes do seu encontro com Cristo, que se limitou a confirmá-lo e a dar-lhe a força necessária para se firmar no novo caminho que iria percorrer até à sua morte. Zaqueu terá sido, a princípio, uma boa terra onde caiu boa semente, mas, com o tempo e com  as teorias e práticas dos fariseus, acabou por se deixar apanhar por silvas e ervas selvagens, de que Cristo veio libertá-lo.

  1. Exemplo de arrependimento e propósito firme de emenda

É evidente que o reconhecimento dos erros, dos vícios, da desonestidade, etc., leva ao arrependimento, absolutamente necessário para a conversão, da qual também não se pode excluir um propósito firme de emenda, o que não quer dizer que o pecador fique com a certeza de que não volta a cair /pecar. Mas, todas as vezes que cair em pecado, terá de repetir o arrependimento, o propósito firme de não repetir e…apresentar-se à Confissão Sacramental, se for baptizado. Uma conversão séria não pode excluir a prática da oração e dos Sacramentos deixados por Cristo, em particular a Confissão e a Missa com Comunhão Eucarística.

  1. Modelo para aqueles que vivem em pecado

 Zaqueu, habituado a fazer contas, não precisou de as fazer na sua conversão. Modelo para quem vive em pecado privado ou público, em que se requere uma decisão radical, sem considerar os prós e os contras.

 Em decisões radicais  importantes, como foi a de Zaqueu, ele não se importou com o que diriam os outros ao converter-se e tornar-se discípulo de Cristo, disposto a dar testemunho público, tal como  Cristo exige a todos nós: “Quem se envergonhar de Mim, também Eu me envergonharei dele”! Só que dar testemunho de Cristo significa cumprir os Mandamentos, aceitar toda a Sua doutrina, sem excepção, e viver segundo as suas exigências. É evidente que nenhuma confissão protestante ou espírita aceita toda a doutrina de Cristo, fazendo eles a selecção daquilo em que querem acreditar. Que testemunho de Cristo poderá dar um protestante  ou um espírita, se não aceitam a única Igreja fundada pelo próprio Cristo: “Esta é a Minha Igreja…”?!  Algo difícil ou impossível de compreender!

  1. Agarrar a ocasião em que Deus passa

Zaqueu tomou a iniciativa  de aproveitar o momento, a ocasião, em que Cristo passava por ele. Também Cristo passa muitas vezes por nós, num retiro, numa leitura, numa conversa, num encontro casual com alguém, numa liturgia, numa homilia da Missa, na leitura da vida de um santo, numas  revelações de Cristo ou da Virgem Maria, numa peregrinação a um santuário Mariano, na presença de um milagre, etc.

Dou alguns exemplos destes:

  1. Agostinho converteu-se ao ouvir um sermão de Santo Ambrósio, Bispo de Milão; S. João de Deus (João Cidade) converteu-se depois de ouvir um sermão de S. João de Ávila; Santa Edith Stein, professora de Filosofia na Universidade de Berlim, no tempo de Hitler, converteu-se do judaísmo ao Cristianismo, ao terminar a leitura das Obras Completas de Santa Teresa de Ávila; Alexis Carrel, médico francês ateu, converteu-se depois de ver uma sua doente curada de um cancro em Lourdes; numerosos são também os casos de verdadeiras conversões em peregrinações a santuários marianos; Lurdes, Fátima,  Medjugorje são notáveis por isso, na Europa; em peregrinações da imagem de N.S. de Fátima pelo mundo há conversões e milagres em  abundância.  Se lhe surgir a ocasião, veja o filme “Fátima no mundo”, promovido pelo Santuário de Fátima. É Deus/ Cristo/ a Virgem/ que passam e deixam rastos de graças que levam à conversão.

.

Ezequiel Miguel

 .

Artigos relacionados:

. Jesus em casa de Pedro

. Jesus em casa da viúva de Naím

. Jesus nas bodas de Caná

. Jesus em casa do fariseu Simão

1 Comentário (+add yours?)

  1. Trackback: Jesus em casa do fariseu Simão | Deus, Bíblia e Poesia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s