Alma de Cristo santificai-me

ALMA DE CRISTO SANTIFICAI-ME-1

Anúncios

Imagem

Manhas e artimanhas de Judas Iscariotes

(Realidade & ficção)

.

1 – Estava prestes a chegar ao fim o terceiro ano da vida pública de Jesus e pensamentos preocupantes invadiam a cabeça de Judas.

Ao longo  dos três anos, Judas pôde comprovar que Jesus pensava e agia de modo a pôr em risco as expectativas  que ele tinha alimentado desde o início.  Como se disse em outros artigos semelhantes, Judas esperava que Jesus restaurasse o reino de Israel, ocupado e dominado pelos Romanos. Embora Jesus já por mais de uma vez tivesse explicado que Ele não tinha ambições políticas e que a Sua missão se destinava a implantar um reino de Deus nas almas, Judas não aceitava de modo algum que Ele, tendo todos poderes, uma vez que era Deus,  se deixasse insultar, perseguir, agredir à pedrada em Belém,  passasse fome, sede, dormisse em palheiros, quando poderia perfeitamente criar condições para tirar proveito dos palácios.

A sua ambição de um dia ser ministro do Messias-Rei  ameaçava desmoronar-se e dar em menos que nada, analisando os sinais alarmantes de fracasso, tanto do Mestre como seu. Tantos sacrifícios em acompanhar o Mestre, na esperança de um futuro político que fizesse história e agora…parecia-lhe que tudo caminhava para o fundo. À medida que Jesus anunciava a proximidade do fim, ele não sentia diferente dos outros apóstolos, que de modo algum aceitavam  que o Mestre morresse às mãos das autoridades religiosas corruptas de Israel.

Tudo bem pensado, moído e remoído, Judas engendrou um plano para tentar travar a tragédia que se lhe afigurava inevitável e iminente, continuando as coisas como estavam. Desse plano fazia parte  uma conversa cara a cara com o Mestre:

Judas – Mestre, tens de me desculpar, mas eu ando muito preocupado com a minha saúde. Esta agitação permanente, este caminhar sem fim pelas terras de Israel, este ódio que os do Templo me dedicam e também a Ti, as preocupações com a minha mãe, que preciso de visitar com mais frequência, os boatos que correm a Teu respeito,…tudo isso e outras coisas tiram-me o sono, ando a dormir mal, tenho dores de cabeça, tenho falta de apetite, tenho problemas respiratórios por causa da poeirada dos caminhos…

Jesus – Já disseste tudo? Ainda não disseste que morrias à fome e à sede e que já tinhas apanhado uma bronquite por dormires às vezes em palheiros ou em terraços de gente amiga! Afinal, ainda estás vivo, assim como todos os outros!

Judas – Pois, Mestre! É verdade que não me posso queixar de falta da Tua protecção e cuidado, mas a mim não me foi fácil adaptar-me a estas lides do apostolado ambulante. Como sabes, eu tinha um bom posto entre os do Templo e, se lá continuasse, eu poderia ir longe…Seguindo-Te, …tudo isso se me escapou…

Jesus – Judas, eu avisei-te, quando Me vieste pedir para te aceitar, que seria melhor para ti não entrares para o grupo dos meus escolhidos. Se reparares bem, tu foste o único que não foi convidado por Mim! Tu forçaste a tua entrada e insististe, insististe… Mas, Judas, ainda não disseste tudo! Ainda nem disseste o principal!…

Judas – Mestre, Tu sabes que eu ando um pouco perturbado, confuso, ansioso, nervoso, angustiado…Tu já me repreendeste várias vezes pelos meus comportamentos e…

Jesus – E?…

Judas – Eu preciso de um período de repouso fora deste ambiente. Tu sabes que os outros não simpatizam comigo nem eu com eles! Eles estão sempre a julgar mal de mim, embora na verdade eu também julgue  mal deles. Mestre, se não Te importasses, eu ousaria pedir-Te um favor para me acalmar, para reflectir, para pensar, para me corrigir daquelas coisas que Tu me censuras, para eu fazer uma revisão geral das minhas andanças Contigo. Eu queria…não sei bem como dizer…Talvez seja atrevimento…mas eu penso que Tu me vais conceder o que Te vou pedir…mas a verdade é que é muito importante para mim! Eu queria…Ai como isto me custa dizer!

Jesus – Avança, Judas! O que tens a temer de Mim, se for para teu bem?

Judas – Mestre, Tu até sabes o que eu quero dizer, porque Tu lês nos corações e nada Te é escondido do que nós fazemos. Só que, neste momento, Tu finges que não sabes!

Jesus – Judas, eu sei, mas quero que tu o digas! Eu respeito a tua liberdade, tanto para o Bem como para o Mal. Diz o que falta!

Judas – Então, lá vai! Eu queria pedir-Te que me deixasses passar uns dias com a Tua Mãe em Nazaré, na Tua própria casa! Seria para mim um retiro de regeneração da minha pessoa. A Tua doce mãe seria a minha educadora como foi a Tua.  Penso que Ela me mostraria as coisas sob um outro ângulo e me tornaria tudo mais fácil de compreender e aceitar! Já está dito!

Jesus – E quem disse que a minha Mãe te aceita lá em casa? Porque não pedes antes para passar esses dias com a tua própria mãe, dar-lhe alegrias, compensá-la pelo teu abandono e frieza…

Judas – Sabes, Mestre, é diferente. Uma Mãe como a Tua não há, porque Ela está toda envolvida em mistério. Ela tem qualquer coisa que não é deste mundo! Ao pé dela parece que se está no Céu!

Jesus – E quem disse que Ela aceita? Não achas isso um pedido atrevido e que se presta  a murmuração, juízos pecaminosos e outras coisas?

Judas – Mestre, eu não tenho coragem de lhe pedir, mas Tu podes interceder por mim, porque é para meu bem! E ela não recusará, porque a ela ninguém pode fazer mal, nem o inferno todo junto! Por isso, ela nada tem a temer de mim!

Jesus – Tens razão, Judas! Ela anda guardada por mil anjos, numa escolta de honra e de protecção. Eu vou falar com Ela e depois te informarei.

Judas – Obrigado, Mestre. Vais ver que não Te arrependerás!

Jesus – Judas!… Judas!…

2. Judas foi a seu tempo informado da aceitação da proposta, após uma conversa entre Jesus e Sua Mãe. Finalmente, Judas entrou em estágio na casinha de Nazaré, onde não faltou a catequese apropriada às necessidades espirituais de Judas. Mas, tirando as refeições e a dormida, Judas não parava em casa. Por onde andaria ele?

Ouvem-se pancadas na casa dos tios de Jesus, os pais de Tiago e João, apóstolos de Jesus.

Zebedeu – Quem é! Diga o nome!

Judas – Sou Judas, apóstolo do seu sobrinho Jesus!

Zebedeu –  Que fazes tu em Nazaré? Não estás com os outros! Por onde andam eles?

Judas – Eles andam longe daqui! Eu venho ter consigo e com os outros familiares de Jesus para os alertar contra algo muito perigoso em que ele anda metido. Eu já o avisei, mas Ele não me dá ouvidos e receio que tudo vá dar a uma tragédia. Ele é teimoso e cego, porque não quer ver.

Zebedeu – Não me fales desse visionário, que por acaso é meu sobrinho, porque Ele é filho do meu irmão José, que já faleceu. Eu nunca lhe perdoarei o ter-me roubado dois dos meus filhos, o Tiago e o João! Ele enfeitiçou-os e agora lá andam com Ele para trás e para diante, feitos vagabundos , a ensinar uma doutrina nova. Isso que tu me dizes já eu lho disse, mas Ele também não quer saber dos meus conselhos. Já aconteceu até que há tempos levaram-no ao alto do monte para o deitarem de lá abaixo, mas não sei que diabo aconteceu que ninguém foi capaz de pegar nele e atirá-LO lá para baixo! Parece que tem poderes estranhos. No fim, passou por entre todos e ninguém foi capaz de lhe tocar, o que ainda hoje ninguém compreende como isso foi possível

Judas – Mas porque é que o queriam matar?

Zebedeu – O que é que tu queres? Foi lá para a sinagoga, desafiou o chefe com perguntas a que Ele não soube responder e lançou para lá umas ideias novas que não é possível aceitar. Disse que Ele era o Messias e começou para ali a tentar provar que as Escrituras, através dos profetas, falavam Dele há muito séculos. Agora, Ele ali estava para cumprir o que as Escrituras diziam Dele! Mas aquilo foi lá uma conversa! Gerou-se uma discussão violenta e o chefe da sinagoga convidou toda a Nazaré a levá-lo até ao cimo do Monte e acabar com Ele de vez. Só fiquei admirado de uma coisa: Ele esteve sempre calmo e às suas perguntas ninguém era capaz de responder, porque Ele rebatia todos os argumentos relacionados com o Messias que está para vir! Se tu visses!

Judas – Mas eu vi! Eu estava lá! Mas eu tenho de lhe dizer uma coisa: Ele não é um homem como qualquer outro. Ele é mais do que um Homem, Ele afirma ser o Filho de Deus e chama a Deus Seu Pai e já demonstrou que tudo isso é verdade. Ele tem mesmo poderes estranhos. Ele domina os demónios, o mar, as tempestades, os ventos, os movimentos dos cardumes de peixes e imagine só: até lê os nossos pensamentos, os mais íntimos… e pior: até sabe o que cada um diz e faz e até mesmo antes de o dizer e de o fazer!

Zebedeu – Ó Diabo, não me digas! Então eu já falei tão mal Dele e Ele sabe tudo o que eu disse? Isso é mau para mim!

Judas – Mais: Ele tem o poder de fazer milagres! Ele cura leprosos, paralíticos, surdos, mudos, cegos e até, veja lá você, até ressuscita mortos em seu próprio nome. Quanto aos possessos do diabo…não há diabo que lhe resista. Por onde Ele passa, os diabos ficam aterrorizados e fogem! Você já imaginou que às vezes os diabos lhe suplicam para não serem expulsos? É tudo muito estranho, mas Ele é mesmo o Messias, pois já o provou em palavras e obras. É por causa disso que eu me meti  no meio daqueles que O acompanham. Olhe que uma vez vi um ricaço de Jerusalém cair morto a Seus pés porque ele tinha agarrado uma pedra para o apedrejar. Sabe porquê? Porque o seu sobrinho lançou uma maldição sobre o maravilhoso pomar do Doras , assim se chamava ele, e secou todas as árvores num instante, tal como se um raio tivesse fulminado cada uma das árvores. E lá continua estéril. Ainda há dias lá passámos e vimos que tudo continua seco. Nem árvores, nem folhas, nem flores, nem frutos. Ficou tudo queimado pela maldição. Antes da maldição, o seu sobrinho rezou ao Pai e, uns momentos depois, o ricaço caiu ali morto, para espanto de todos!  Ele depois disse-nos que o Doras se tinha exaltado e alimentado o ódio a tal ponto que teve um ataque do coração. Mas lá no povoado todos acreditam que foi resultado da maldição! Mas agora o Sinédrio tem lá o Doras filho, desejoso de exercer vingança sobre o Mestre. Ele aguarda a sua hora como o leão aguarda a sua presa.

Zebedeu – Mau! Mau!  Se Ele for vingativo….não sei o que me acontecerá… Provavelmente tenho de lhe pedir desculpas e redimir-me dos meus maus juízos! Estranho! Tais poderes são superiores aos dos profetas .

Judas – Ele não é vingativo. Se o fosse, onde é que eu já estaria! Pelo contrário: Ele é absolutamente tolerante, compassivo, amoroso, sempre pronto para o perdão…Ele não quer que os pecadores morram em castigo dos seus pecados, mas diz que quer que se convertam e tenham vida longa para louvar a Deus e expiar os seus pecados. Está sempre pronto a perdoar os pecados, desde que o pecador se arrependa!

Zebedeu – O quê? Perdoar pecados? Mas isso só Deus! Quem pode perdoar pecado senão Deus?

Judas – Ele perdoa os pecados, por maiores que sejam, e é capaz de transformar qualquer pecador em santo. Ele converte ladrões, prostitutas, cobradores de impostos,… porque Ele é amor, puro amor… Só não me converte a mim, porque eu… , porque eu… Bem, Não digo mais!

Zebedeu – Ó rapaz, o que tu me dizes! Se assim é, tenho de concluir que o cego, o casmurra …sou eu.  Se calhar, é mesmo Ele o Messias esperado!

Judas – Então, vocês, que o viram crescer, nunca suspeitaram de quem Ele realmente é? Mas vocês são culpados disso! Quando nós cá estivemos com Ele, naquela vez que tentaram atirá-lo pelo monte abaixo, Ele estava disposto a fazer milagres em Nazaré, mas como não acreditaram nele, o maltrataram,…Ele não vos deu grandes sinais de ser o Messias, por isso, esta terra e os seus habitantes são seus inimigos. E agora,  eu chego onde quero chegar! Tendes uma ocasião de vos redimirdes da má recepção que Lhe fizestes! Convidai-O a voltar cá, a pregar na sinagoga e depois, pedi-lhe perdão e convertei-vos à nova doutrina que Ele prega, ao Reino de Deus, como Ele diz.

Este seria o primeiro passo para desfazer a má impressão que deixastes Nele. O segundo seria…seria tentar convencê-lo a restabelecer o reino de Israel, há tantos anos jazendo debaixo das patas dos malditos romanos. Já vistes esta nossa santa nação ocupada e dominada por aqueles nojentos pagãos? Isto tem de terminar e Ele é a única pessoa capaz de levar essa tarefa a bom termo. Mas Ele, tendo todos os poderes, tem sistematicamente recusado usá-los para esse efeito. Ainda há pouco tempo foi ter com Ele uma comissão de Judeus ilustres, secretamente, é claro, e não conseguiram nada! Com aquela cantiga de que o Seu Reino não é deste mundo, Ele recusa todas as sugestões que se lhe façam nesse sentido de se tornar o verdadeiro Rei de Israel. Ainda por cima, Ele diz que é o verdadeiro Rei de Israel. Então, se é, por que não assume de uma vez por todas? Ele diz que é apenas o Rei das almas e que só veio a este mundo por causa das almas e não por causa da política. Ele exprime isto numa curta frase: As almas para Deus e a política para César! E com esta sabedoria ninguém mais tem argumentos para discutir com Ele! É por isso que eu aqui estou. Entrai em contacto com Ele, convencei-o, porque a sua vida está em risco. As autoridades do Templo querem matá-Lo, porque o classificam de blasfemo, arruaceiro, traidor, desordeiro, inimigo de César, come com pecadores à mesa, espalha uma doutrina subversiva, prega o amor aos inimigos,…e até chega ao ponto de dizer que um homem já comete adultério pelo simples facto de olhar para uma mulher com desejos  pecaminosos. Nisto, os do Templo até têm razão! Sendo como Ele diz, quem pode sair à rua sem olhar para uma mulher, se elas andam por todo o lado?

Eu já fiz o meu possível para O chamar à realidade, mas já não posso fazer mais nada. Vós sois a minha última esperança. Também já tentei convencer a Mãe Dele, mas Ela diz que Ele tem de cumprir aquilo que as Escrituras dizem a Seu respeito. E até me indicou as passagens exactas. O que é que eu posso fazer mais? Ou vós fazeis qualquer coisa ou os do Templo liquidam-no, porque eles têm-lhe um ódio de morte! Eu sei que já há movimentações secretas para  O apanharem  de noite, para evitarem sublevações populares. Até sei que eles já contrataram um espião para lhes preparar o caminho, com vista à sua prisão, julgamento, condenação à morte e execução. Só vós podeis evitar isto. Reuni-vos e fazei qualquer coisa! Eu vim aqui secretamente para vos avisar que Ele corre grande perigo. Se vós não fizerdes nada, eu não me responsabilizo pelo que possa acontecer-Lhe. Mas andai depressa, porque aquilo lá em Jerusalém faz pensar no pior. As sombras da morte já O rondam!

Zebedeu – Falas muito bem, Judas! Mas que podemos nós fazer por Ele, se nós nem fé Nele temos!

Judas – Ainda bem que falaste nisso. Lembro-me de Ele dizer que não tinha feito milagres em Nazaré exactamente por não terem fé Nele e nas Suas obras. Rematou o Seu discurso dizendo que ninguém é profeta na sua terra.

Zebedeu –  Se até  a Mãe Dele diz que as Escrituras têm de se cumprir, que posso eu dizer ou fazer, para mais dizendo Ela que Ele cumprirá os desígnios do Altíssimo!…E eu que nunca acreditei Nele nem penetrei nos mistérios que O envolvem. Tenho de ter uma conversa com a minha sobrinha Maria. Ela deve saber muita coisa por nós ignorada. Além disso, Judas, se a Mãe Dele acha que não pode fazer nada, quem haverá na Terra que possa fazer alguma coisa? Por isso, deixa-te disso! Se as Escrituras profetizam a Seu respeito, tudo tem de se cumprir. Mas eu tenho umas reservas a colocar-te! As Escrituras dizem que o Messias deverá nascer em Belém. Por outro lado, também dizem que nascerá de uma virgem. Dizem também : “Do Egipto chamei o Meu Filho”. E acabam por dizer: “Ele será chamado Nazareno”. Ora, só esta coisa do Nazareno é que bate certo a respeito do meu sobrinho Joshua (Jesus).

Judas – Aí é que tu te enganas! Ele nasceu em Belém de Judá, segundo a profecia de Miqueias, foi levado para o Egipto quando o Herodes mandou matar os meninos  e regressou depois da morte daquele assassino. Para terminar: Nasceu mesmo de uma Virgem, por obra e graça do Espírito Santo, conforme aquilo que o anjo Gabriel lhe anunciou. Queres mais sinais? Tudo bate certo com Ele! Vós é que sois uns ceguetas. Tantos anos a viver com Ele e ao pé Dele e não descobristes nada de especial nem Nele nem nos pais Dele! Andastes a dormir e nem descobristes o Messias a viver no meio de vós!

Zebedeu – Então, se assim é, o meu irmão José não é o verdadeiro pai Dele e Maria é a esposa de José, mas  não é  sua mulher! Que trapalhada! Ó Céus, onde eu estou metido! Valha-me Yahweh!

Judas – Mas é claro que é mesmo assim! Não te lembras da profecia feita ao rei Acaz: “Eis que uma Virgem conceberá e dará à luz um filho”? Então, a Virgem é Ela e o Filho é Ele! E ponto final!

Zebedeu – Eu nunca notei nada de especial neles! Isto é, para falar a verdade, eram todos uns sonsos calados, quase era preciso pagar-lhes para dizerem uma palavra. Eu nunca dei por um conflito lá em casa deles, viveram sempre pobremente, ajudavam quem podiam, nunca ouvi nenhuma rabugice da minha sobrinha, nunca vi nenhum deles irritado, eu sei lá! Aquilo lá em casa parecia  Deus no paraíso a conviver com os Seus anjos! Algumas vezes notei na Maria, quando Ela dava catequese ao Joshua e aos meus filhos, que Ela tinha conhecimentos muito acima do que seria de esperar. E falava com uma convicção! Eu, às vezes, perguntava-me: “Mas de onde é que Ela sabe estas coisas?”  Mas Ela nunca me disse que o Joshua era o Messias! Na verdade, se o tivesse dito, também agora garanto que eu não teria acreditado e ninguém em Nazaré!…Nós cá somos assim, a começar pelo sinagogo…

Judas – Espera aí! Já agora conto-te que um dos do nosso grupo fez um dia esta pergunta a respeito de vós: “De Nazaré pode vir alguma coisa boa”?

Zebedeu – Pois é! Talvez seja verdade! O filho do carpinteiro, um sobrinho meu, ser o Messias! Nunca esperei viver para ouvir isto! E eu que me tornei um dos seus inimigos, eu, um tio Dele!  E agora? Ainda bem que cá vieste, rapaz! Eu andava mesmo cego, como todos os outros em Nazaré!  Mas quanto a estorvar a Sua missão, não contes comigo. Não vou opor-me aos desígnios do Altíssimo. Exige-o  Ele, exigem-no as almas,  exige-o a Sua Mãe, exige-o o próprio Yahweh. O que Yahweh diz tem de se cumprir, porque a Sua Palavra não volta para Ele sem se cumprir! É assim que diz um profeta, não sei qual! Quanto a ti, Judas, abre os olhos, limpa o coração, purifica as tuas intenções e os teu pensamentos, actua de acordo com a doutrina que Ele prega, age com a rectidão do coração, porque o que tu me contas a respeito Dele prova que  somente o Messias pode fazer tais coisas. Feliz de ti, se aproveitares e desgraçado de ti, se perderes a oportunidade!

Judas – Eu não sou capaz de te convencer, mas tenho de contactar outros familiares Dele para ver se os meus argumentos têm mais aceitação. Se não fizerdes nada, vereis o que Lhe vai acontecer e que ainda podeis evitar. Depois, não digais que ninguém vos avisou! Adeus!

.

Ezequiel Miguel

.

Artigos semelhantes:

.E Judas foi enforcar-se

. Última tentativa de Jesus para salvar Judas

.  O contrato de Judas com o Sinédrio

. Remorso, desespero e suicídio

Vosso amor e perdão

VOSSO AMOR E PERDÃO-Salmo 50

Imagem

O golpe de Judas

(Realidade & Ficção)

 .

Personagens:

. Jesus Cristo

. Judas Iscariotes

 .

Judas24Judas frequentava o Templo de Jerusalém e convivia de perto com os sacerdotes, os escribas e os fariseus, tendo muitas amizades entre eles. Possivelmente, seria um estudante de teologia e um candidato a doutor da Lei. A sua figura imponente, esbelta, ricamente vestida, era de molde a chamar a atenção por onde passava. Tinha fama de se insinuar facilmente junto das donzelas de Israel, às quais prometia união de casamento, mas depois…abandonava-as, para ir recomeçar com outra. Em certas aldeias próximas de Jerusalém já tinha a cabeça a prémio.

Ele não desconhecia as profecias sobre o Messias e, como muitos outros, aguardava os sinais do Sua presença próxima. Mas ele, tal como todas as autoridades religiosas do povo judeu, era também uma vítima das circunstâncias políticas que se tinham abatido sobre Israel, após a invasão e ocupação do território pelo exército romano. Assim, o que se precisava era realmente de um Messias que viesse restaurar a Monarquia e a independência de Israel e o ambiente não era nada favorável para se aceitar um Messias conforme as profecias das Escrituras o apresentavam.

Um dia, Cristo entrou no Templo, fez a Sua pregação, apresentou-se como o Messias e confirmou o Seu poder com uma estrondosa cura. Entre os assistentes estava Judas, que mediu Cristo de alto a baixo, as  Suas palavras, os Seus gestos, o Seu poder e autoridade com que falava e agia. Tinha que ser mais que um profeta, para fazer o que fazia e dizer o que dizia e como o dizia!

A cabeça de Judas começou então a girar, a calcular, a especular, a sonhar…Ele não foi daqueles que atribuiu a Cristo poderes conferidos por Satanás. Ele viu mais longe e não demorou muito a tirar todas as conclusões : Ele era o Messias que vinha para restaurar o Reino de Israel, há muito ocupado pelos Romanos. Judas também já sabia que Cristo andava a escolher discípulos para o acompanharem na Sua missão. Na visão de Judas, estes seriam os futuros ministros do Messias, o futuro Rei de Israel unificado. Ele próprio não poderia ser um deles? Se outros podiam!… E não demorou a gizar um plano para se encontrar com Jesus de um modo discreto, para uma conversa a sós. E encontrou-O, após muitos esforços nesse sentido:

Judas – Salve, Mestre! Encontro-Te, finalmente! Estou farto de andar à Tua procura!

 Jesus – Quem és tu, que tão distintamente te apresentas?

Judas – Sou Judas de Simão, natural de Keriot. Estou no Templo e vivo sonhando com o Rei dos Judeus. Da análise que eu já fiz de Ti, esse Rei és Tu. Aceita-me como Teu discípulo! Penso que ainda vou a tempo de me candidatar, pois vejo-Te rodeado de poucos!

Jesus – Aceitar-te, assim sem mais nem menos? Não! Não pode ser assim! Isso exige estudo, tempo, decisões firmes e inabaláveis, recta intenção, coragem, constância, humildade, …e muito mais!

Judas – Não acreditas que Te peço isso com sinceridade? Eu já pensei muito sobre este passo, por isso, não considero que seja leviandade da minha parte.

Jesus – Judas, Eu vejo em ti apenas impulsos momentâneos que se esvaem como o fumo quando o fogo se apaga. Pensa nisso até Me encontrares de novo! Brevemente poderás encontrar-Me. Nessa altura falaremos!

Passado algum tempo, Judas volta a encontrar Jesus num espaço aberto do Getsémani, num ambiente de oliveiras:

Judas – Salve, Mestre! Sou Judas de Keriot, aquele que Te pediu para o aceitares como Teu discípulo. Não Te lembras?

Jesus – (Nada entusiasmado)  Lembro! Vieste ter comigo há pouco tempo!

Judas – Então, aqui estou eu de novo. Segui a Tua sugestão de pensar, meditar, pesar os prós e os contras…e já decidi. Quero mesmo que me aceites no Teu grupo!

Jesus – E quais os motivos que te levam a querer?

Judas – Eu repito o que disse da outra vez:  Eu vejo em Ti o Rei do futuro Reino de Israel. Nada mais natural que eu queira estar a Teu lado nesta missão de restaurar o Reino de Israel!

Jesus – São então esses os motivos?

Judas – São! E acho que são motivos nobres! Ponho-me ao Teu serviço, juntamente com os meus bens, as minhas capacidades, os meus conhecimentos, amizades, trabalhos, etc.

Jesus – Vejo que és um homem ambicioso, um sonhador, um exaltado…Mas Eu não te procurei, não te chamei nem te convidei!

Judas – Mas eu, pelo contrário, procurei-Te por todo o lado e até recorri a espiões para me informarem do Teu paradeiro.

Jesus – Pensas que terá sido algo de bom para ti encontrar-Me?

Judas – Claro! Se eu Te procurava, foi bom encontrar-Te!

Jesus – E porque Me procuravas?

Judas – Obrigas-me a dizer outra vez? Vejo que não me compreendes!

Jesus – Eu compreendo-te, mas também quero que Me compreendas, antes de Me seguires por todo o lado. Eu devo esclarecer-te que as tuas ideias sobre Mim, o Messias, estão erradas. Eu não vim ao Mundo para cumprir o plano que tens na cabeça, nem coisa que se pareça!

Judas – Mas não és Tu Aquele que as Escrituras apontam como o Rei dos Judeus, Aquele de que falaram os profetas? Tu manifestas todos os sinais do verdadeiro Messias: Falas e ages como Deus, Deus está em Ti e Tu estás em Deus, operas milagres, conheces o passado, o presente e o futuro, és santo! Ora, onde Deus está e actua  há sucesso garantido! Por isso, não sei o que é que receias. Se as Escrituras profetizam tudo a Teu respeito, como é que podes trair a missão que Te foi confiada de libertar o povo da escravidão, como está escrito? É neste sentido que eu quero fazer algo pelo nosso povo, colocando-me a Teu lado no trabalho e na glória que advirá para o povo de Israel.

Jesus – Judas, tu deliras no teu sonho! Advirto-te que aquilo  que Me está reservado não é um bonito sonho, melhor dizendo, é um bonito sonho, mas pelo meio há um tremendo pesadelo. O meu Reino não é deste mundo. O que Eu trago a Israel não é a glória  mundana nem a luz da ciência mundana. Eu venho instaurar uma nova ordem meramente espiritual, fazer de todos os pecadores novos santos e abrir-lhes as portas da Vida Eterna. Neste novo Reino de Paz e Amor, não há lugar para ódios, rancores, vaidades, ambições mundanas, crimes, desonestidades, roubos, divórcios, luxúrias, vinganças, guerras, invejas, acumulação de riquezas, avareza,… A Minha missão é salvar almas, conquistando-as a Satanás, arrancar-lhas através do arrependimento e dos novos meios que Eu venho estabelecer para a Salvação Eterna. Não vim para fundar  ou conquistar reinos mundanos. Que lugar quererás tu no Meu Reino, onde, em vez de glória, prestígio, louvores, recompensas materiais,…te estarão guardadas fome, sede, pobreza, honestidade, santidade, humilhações, perseguições e, no fim, uma injusta sentença de morte por causa do meu Nome? Sendo assim, não tenhas ilusões! Eu não libertarei o Povo do poder de Roma, nem lutarei contra César e se Eu já vim a este mundo sob o domínio de César, também o deixarei sob o seu domínio. Não serei um chefe político e não aceito ninguém imbuído dessas ideias. Por isso, Judas, é melhor ponderar estas coisas, antes de insistires.

Judas – Queres então  dizer  que me rejeitas!

Jesus –  Serei Eu que te rejeito ou serás tu que te rejeitas? É por Amor que te mostro as desvantagens que te circundam. É por Amor que eu digo a alguém que o remédio que vai tomar é veneno mortal. É por Amor que eu digo a um inocente que não tome aquele veneno, que pode destruí-lo, arruinar a sua saúde ou matá-lo.

Judas – Bem! Penso que estás a exagerar! Eu poderei envenenar-me ou arruinar a minha saúde se andar Contigo? Não acredito nessa! Dizes isso para me convenceres a não teimar no pedido que Te faço, porque, está visto, não me queres aceitar. Mas aceitas outros, que já andam Contigo e que são muito inferiores a mim em condição social, cultura, conhecimentos, influência, riqueza. Já contei seis que andam Contigo por todo o lado…Vais buscar pescadores, ladrões, cobradores de impostos, artífices,… todos uns Zés-Ninguém e até um ex-leproso que Tu curaste. Que queres Tu fazer com essa gente? Eu não reunirei melhores créditos do que eles para ser seleccionado? Não sei porque embirras comigo! Nunca Te fiz mal nenhum e só desejo fazer-Te Bem, ajudando-Te na Tua missão de Messias de Israel!

Jesus – Judas, desiste do teu pedido! Tu arruinarás não só a saúde, mas até a vida do corpo e da alma. Tu conviverás com o Santo, mas tornar-te-ás Seu inimigo e, como tal, virás a ser um dos Seus inimigos, um assassino!

Judas – Assassino, eu? Só essa me faria rir! Acaba lá com esses argumentos ocos e admite-me! Se és o Salvador, como confessas que és, não podes rejeitar-me, porque eu também sou pecador e preciso de ser salvo e, se Tu és a Salvação, como podes rejeitar-me? Isso não é próprio de um Messias Salvador! Não vieste Tu para as ovelhas perdidas de Israel, como está escrito e Tu dizes? Então, eu sou uma dessas ovelhas perdidas, logo, não podes rejeitar-me! Eu vou ser-Te fiel até à morte! Não tenhas receios a meu respeito! Não Te desiludirei!

Jesus –(Triste e pensativo) Sim!… Sim!…Até à morte!…Até à morte!…Depois!…

Judas – Em que estás a pensar, Mestre? Não entendo esses silêncios!

Jesus – Judas, insistes?

Judas –Ainda me perguntas? Como não insistir? É isso que eu quero, custe o que custar!

Jesus – (Suspirando, triste e abatido) Assim seja!… Entrego-te à  misericórdia de Deus! Que Ele  esteja contigo e te proteja!

Judas – Obrigado, Mestre. Nunca lamentarás a tua decisão!

Jesus – (Desanimado) Sim, Judas!…

 .

Considerações:

  1. Judas comete aqui vários erros em juízos, afirmações, atitudes, palavras…, mas o seu erro principal e que está na base de todos os outros é a sua falta de recta intenção, ao apresentar-se a Cristo para O seguir. Não se pode tentar servir a Deus a pensar em recompensa material, porque Deus não  dá valor a esse serviço, que visa apenas glória e prestígio pessoais.
  1. Judas não mostra ter a sabedoria própria dos humildes e dos santos, os quais penetram fundo nas mensagens da Bíblia e extraem dela o verdadeiro sumo do que lá está, contrariamente a outros que se ficam pela rama e acabam por denegrir ou deturpar a Verdade que está por baixo ou dentro da palavra escrita. Foi assim que ele acabou por ver no Messias o Rei mundano que Israel precisava para expulsar os Romanos.
  1. Judas, em toda a conversa com Cristo, sempre revela uma flagrante grosseria e falta de delicadeza para com o Mestre, tratando-O de igual para igual, discutindo de igual para igual e tornando-se até agressivo em sua argumentação.
  1. Judas revela uma boa dose de soberba, atrevendo-se até a censurar atitudes de Cristo e a dar-Lhe conselhos quanto ao que devia fazer ou devia evitar.
  1. Judas sempre se mostra um auto-convencido, um arrogante, um homem cheio de sonhos coloridos de grandeza e glória mundanas e nesses sonhos insiste e persiste, apesar de Cristo lhe mostrar que eram sonhos loucos de loucura humana.
  1. A sua soberba fá-lo insistir teimosamente na viabilidade do seu plano, apesar de o Mestre lhe demonstrar que seria a ruína do seu corpo e da sua alma.
  2. Apesar de ver em Cristo o Messias,  Judas menospreza os Seus conselhos, encarando-os como desculpas idiotas e preconceitos engendrados propositadamente para rejeitar a sua candidatura a integrar o colégio apostólico.
  1. Ao recusar os conselhos e a argumentação de Cristo, Judas tenta praticamente colocar-se numa posição superior ao próprio Senhor, invertendo as posições para fazer valer os seus argumentos.
  2.  Judas usa de chantagem ao forçar a sua admissão, acusando Cristo de ser o culpado, caso ele (Judas) venha a condenar-se, se Cristo o recusar, fingindo até ser uma das ovelhas perdidas de Israel que também precisa de ser salva, mas só será salvo se o Messias o admitir. Argumentos engendrados na mentira e na hipocrisia.
  1. Judas actua como um cego a quem se aponta que vai por um caminho que leva à morte, mas que, mesmo assim, confiando em si próprio e nos seus talentos, avança a qualquer custo para um suicídio certo.
  1. Judas mostra não confiar nos prognósticos de Cristo a seu respeito, o que equivale a considerá-Lo um adivinho, um charlatão, uma pessoa pouco ou nada credível em seus diagnósticos e prognósticos.  Mais tarde, já perto da Paixão de Cristo, Judas acusá-Lo-á de ter arruinado a sua vida, por não ter concretizado o seu (de Judas) plano, recusando assumir a mínima culpa dos seus actos.
  2. As lições de Judas são pela negativa, mas também podemos aprender muito com elas, pois, se com Cristo aprendemos o que e como se deve fazer, com Judas aprendemos o que não devemos fazer.
  3. Há quem pense (e até há livros e filmes sobre isso) que Judas foi mais uma vítima do que um criminoso, porque, segundo as teses apresentadas, já estava escrito e profetizado que ele seria o traidor do Messias. É verdade que o Antigo Testamento aponta um traidor, mas não revela o seu nome, logo, não teria necessariamente que ser Judas.  Consta: “Até aquele que comia comigo à mesa …me traiu” (Salmo 41,9).  No Novo Testamento, Cristo disse: “ Dos que me deste, nenhum se perdeu, a não ser o filho da perdição” (Jo 17,12); “A esse, que vai trair o Filho do Homem, melhor lhe fora não ter nascido”. (Mt 26,24)
  4. Há quem pergunte: Se Deus sabia quem era o homem que trairia Cristo, porque não o impediu ou porque permitiu que ele nascesse? Ou porque não o converteu? Judas tinha mesmo que trair Cristo, uma vez que estava escrito que ele o trairia?
  5. Convém ter ideias claras sobre questões confusas. A explicação para questões aparentemente inexplicáveis está na liberdade individual e na vontade soberana que Deus concedeu ao ser humano, tanto para o Bem como para o Mal. Deus não interfere nas leis da Natureza, nas leis da Física ou da Química, nas leis genéticas que presidem à individualidade de cada ser humano, embora possa fazê-lo, como no caso da gravidez da Virgem Maria. Deus não impede o nascimento de um futuro criminoso, mesmo de um homem que vai trair o Seu próprio Filho, como foi o caso de Judas. Cristo não precisava de um traidor para ser morto, porque mais cedo ou mais tarde o Sinédrio apanhá-Lo-ia quando Cristo decidisse que estava na hora. Ele próprio disporia as coisas e se entregaria, pois viera para isso.
  6. Convém não esquecer que para Deus tudo é presente e, como omnisciente que é, sabe tudo, conhece tudo aquilo que para nós está contido no passado, no presente e no futuro. Mas, apesar de saber o que cada ser humano vai ser durante a sua vida terrena, em consequência do bom uso ou do mau uso da sua liberdade e da sua vontade, Ele não pode ser culpado de não impedir o curso normal e o percurso natural que os seres humanos seguem em consequência das suas opções tomadas livremente.
  7. Em vista do que fica dito, qual o pecado de Judas, no final de contas? Foi ter arquitectado um plano e tentado sobrepo-lo ao plano de Deus, não olhando aos meios para conseguir desonestamente atingir os seus objectivos. Pelo meio ficaram pecados de soberba, orgulho, mentira, hipocrisia, ambição desonesta, roubo, luxúria, espiritismo, calúnia, cólera, inveja, agressividade verbal, desesperação de salvação e impenitência final (pecados contra o Espírito Santo), falta de respeito a Cristo, conspiração, traição, etc. Mas de Cristo ele não tinha razões válidas para se queixar, porque foi aconselhado e, no fim, também Cristo fez tudo para que ele se convertesse. Tudo em vão!
  8. Como consideração final, pergunta-se: Sabendo Cristo onde Judas iria parar, porque acabou Ele por ceder às suas pressões no sentido de ser admitido? A resposta tem a ver com  esta outra questão: Se Cristo tivesse rejeitado Judas e este, como deu a entender, tivesse entrado nos caminhos do mal, ou por vingança ou por outro motivo qualquer, e se condenasse, não poderia Cristo ser acusado de ter discriminado Judas e ser o causador da sua condenação? Tendo aceitado Judas, Cristo transferiu para ele (Judas) toda a responsabilidade e aguentou o ter de lidar com ele, que, a pouco e pouco, se ia transformando num demónio, até se transformar totalmente e se suicidar. Cristo não chorou somente por Lázaro e pelo futuro de Jerusalém, mas também chorou, e mais do que uma vez, por causa de Judas, ao sentir-se impotente para levá-lo a mudar e converter-se de vez. As lágrimas da Mãe de Jesus também não foram suficientes.

 .

Ezequiel Miguel

.

Artigos relacionados:

. Última tentativa de Cristo para salvar Judas.

. O contrato de Judas com o Sinédrio

. E Judas foi enforcar-se

. A Ceia da despedida

. Manhas e artimanhas de Judas Iscariotes.

Salmo 31 (32) –Sois para mim refúgio

confissao15Feliz aquele cuja culpa foi perdoada

e cujo pecado foi por Deus absolvido!

Feliz quem o Senhor não acusa de nada,

em cujo espírito não há engano escondido.

.

Enquanto me calei, meus ossos se mirraram,

pois todos os dias se encheram de vazio,

em gemidos os dias e as noites passaram,

o meu vigor se esvaiu ao calor do estio.

.

A Vós, Senhor, o meu pecado confessei

e de Vós as minhas culpas não escondi.

Disse:” As minhas faltas Lhe apresentarei”

e logo eu as minhas culpas perdoadas vi.

.

A Vós suplica o fiel em horas dolorosas,

nesse tempo em que o sufoca a tribulação,

mesmo que transbordem as águas caudalosas,

a ele só as águas não atingirão.

.

Vós sois para mim esse refúgio seguro,

das tenazes da angústia Vós me preservais,

construí entre mim e os perigos um muro,

com cânticos de vitória me libertais.

.

O caminho a seguir Eu te vou ensinar,

de olhos postos em ti serei teu conselheiro,

o cavalo e o jumento não vais imitar,

que se adaptam ao freio em uso costumeiro.

.

Só deste modo, por falta de entendimento,

com o freio e o cabresto se podem domar;

de contrário, vê-los-ás fugir como o vento

quando de ti os quiseres aproximar.

.

Muitos são os sofrimentos do pecador,

a quem Nele confia Deus dá protecção;

alegrai-vos, justos, exultai no Senhor

vós todos os que sois rectos de coração!

.

Ezequiel Miguel

O bezerro de ouro

( Cf.Êxodo 32 // Deut. 9)

(Realidade & ficção)

.

Personagens :

. YAHWEH = EU SOU AQUELE QUE SOU

. Moisés

. Aarão

. Josué

. Israelitas

 .

bezerroTendo Moisés sido chamado ao Monte Sinai ( da cordilheira do Horeb), no deserto, após a travessia do Mar Vermelho,  o povo ficou acampado cá em baixo, na base do monte, com expressa proibição de alguém tentar subir lá acima, sob pena de morte. E Moisés por lá ficou durante 40 dias e 40 noites, sem comer nem beber, de onde regressou com a Lei que Deus escrevera a fogo nas duas tábuas de pedra.

Entretanto, na ausência prolongada de Moisés,  alguém começou a semear a dúvida sobre o seu destino, destino esse que ninguém poderia investigar subindo ao monte, porque tal atrevimento implicava a morte para quem se atrevesse.  Havia  mesmo um espaço delimitado em volta do Monte, para que ninguém o ultrapassasse, uma vez que todo ele estava entregue à presença e à Glória de Yahweh.

Enquanto Moisés vai a custo subindo,  uma sensação estranha o vai invadindo naquele silêncio não interrompido por nada nem ninguém. A certa altura:

Moisés – O que é aquilo? Um silvado a crepitar por fogo, mas sem cheiro, sem fumo, sem labaredas, sem faíscas…Estranho! Vou aproximar-me mais e ver de perto o fenómeno! Nunca vi uma coisa assim! É fogo, mas não queima, não provoca cinzas, não destrói!

Yahweh – Moisés, Moisés! Tira as sandálias, porque o lugar que pisas é santo!

Moisés – Mas…quem sois vós, Senhor?

YahwehEU SOU AQUELE QUE SOU! Eu sou o Senhor,  vosso  Deus,  que vos tirou do Egipto, da casa da escravidão. Vou fazer com o Meu Povo uma Nova Aliança, como fiz com Abraão, Isaac e Jacob. Vou gravar na pedra o essencial da Minha Lei, que lhe transmitirás, dizendo que não são leis humanas, mas divinas, não inventadas por ninguém. Logo que lhas transmitas ficarão de imediato promulgadas e em vigor para sempre…..

Entretanto, no acampamento:

1º Israelita –  EH! Amigos!  Quem sabe por onde andas esse Moisés?  Há tanto tempo que subiu ao monte!…Que será feito dele?

2º Israelita –  Já deve ter sido comido por alguma fera e dele  também nem os ossos encontraremos, uma vez que estamos proibidos de ir em busca dele!

3º Israelita –  Se não foi morto por uma fera, já deve ter morrido à fome ou à sede, porque não levou nada para sobreviver!

4º Israelita – Eu cá não acredito naquilo que ele disse. Ele disse que ia lá acima para falar com o Senhor, mas, se Yahweh tivesse alguma coisa para lhe dizer, porque haveria Ele de o chamar lá no alto? Podia revelar-se a ele na sua tenda ou  junto da Arca da Aliança.

5º Israelita – Bem vistas as coisas, também não precisamos dele!  Vamos fabricar um deus do Egipto e festejar o fim da história de Moisés, agora que já nos livrámos dele.

6º Israelita – Boa ideia! E como faremos para fabricarmos o deus?

7º Israelita – Vamos de tenda em tenda e pedimos ouro às mulheres: braceletes, brincos, argolas, medalhões. Penso que conseguiremos juntar o suficiente.

8º Israelita – E quem nos autorizará, uma vez que  de Moisés não há rasto?

9º Israelita – É fácil! Vamos ter com Aarão, o irmão do Moisés!

10º Israelita – E acreditais que ele fará isso? Isso será uma traição a Moisés!

11º Israelita – Ameaçamo-lo, se  ele não assumir a responsabilidade. Se o Moisés aparecer, terá que se entender com ele e ele com Moisés. Assim, ficamos nós livres de qualquer punição, porque,…nunca se sabe o que poderá acontecer…Vamos então até ele!…

12º Israelita – Aarão,  na ausência do teu irmão, és tu que nos orientas. Vimos aqui para nos ajudares num projecto! Pedimos-te que dês instruções ao povo no sentido de entregar peças de ouro para fundirmos um bezerro. Queremos fazer uma festa para esquecer estas agruras e estas ansiedades em que vivemos. Tu sabes como temos saudades do Egipto e estamos cansados desta vida de nómadas no deserto! Vê lá! Tens  de colaborar connosco e estamos dispostos a tudo se não colaborares!

13º Israelita – “Vamos! Façamos para nós um deus que caminhe à nossa frente, pois a Moisés, esse homem que nos persuadiu a sair do Egipto, não sabemos o que terá acontecido”(Ex 32,1)

Aarão “ Tirai as argolas de ouro das orelhas das vossas mulheres, dos vossos filhos e das vossas filhas e trazei-mas!”

“Eles tiraram as argolas que tinham nas orelhas e levaram-nas a Aarão. Recebeu-as nas mãos deles, deitou-as num molde e fez um bezerro de metal fundido. Então, exclamaram: “ Israel, aqui tens o teu deus, aquele que te fez sair do Egipto.” Vendo isto, Aarão construiu um altar diante do ídolo e disse em voz alta: ”Amanhã haverá festa em honra do Senhor”. No dia seguinte de manhã, ofereceram holocaustos e sacrifícios de comunhão. O povo sentou-se para comer e beber e depois levantou-se para se divertir” ( Ex 32, 3-6)

Então, o Senhor disse a Moisés:

Yahweh –“ Vai, desce depressa, porque o teu povo, que tiraste do Egipto, corrompeu-se. Bem depressa se afastaram do caminho que Eu lhes prescrevera, fabricaram um bezerro de metal fundido e adoraram-no, ofereceram-lhe sacrifícios e disseram: “Este, ó Israel, é o teu deus que te tirou da terra do Egipto. Eu observei este povo e eis que é um, povo de dura cerviz. Deixa que se acenda a Minha ira contra eles e os consuma; de ti, porém, farei uma grande nação! “( Ex 31 ,7-11).

Moisés – Mas, Senhor,  ides destruir todo o meu povo quando só alguns fizeram o que acabas de dizer? Perdoa-lhes, Senhor, e castiga-me a mim, mas salva o Teu povo, que , em sua maioria,  Te aceita como  seu Deus e Senhor! “Por que, Senhor, se acenderia o vosso furor contra o meu povo, que tirastes da terra do Egipto com mão forte e braço poderoso? Não convém que se possa dizer no Egipto: Foi com má intenção que Ele os fez sair  para os matar nas montanhas e suprimi-los da face da Terra! Não te deixes dominar pela cólera e abandona a decisão de fazer mal a este povo. Recorda-Te de Abraão, de Isaac e de Israel (Jacob), teus servos, aos quais juraste por Ti mesmo: tornarei a vossa descendência tão numerosa como as estrelas do céu e concederei à vossa posteridade esta terra de que falei, e eles hão-de recebê-la como herança eterna”. (Ex 32, 11-14)

Moisés – (Descendo  do monte com as duas tábuas da Lei e ouvindo o ruído…) –   O que ouço eu? Parece uma festa…Que motivos terão eles para festejar? Também ouço  música e tambores!

Josué Este barulho de batalha vem do acampamento!

MoisésNão são gritos de vitória nem gritos de derrota. O que oiço  são vozes de gente a cantar.

“Ao chegar junto do acampamento, Moisés viu o bezerro e as danças. Acendeu-se a sua cólera, atirou com as tábuas e partiu-as ao pé do monte. Depois, agarrando no bezerro que tinham feito, queimou-o e reduziu-o a pó fino, que espalhou na água. E deu-o a beber aos filhos de Israel” ( Ex 32 19-20)

MoisésAarão, que te fez este povo para o deixares cometer um tão grande pecado?

Aarão“ Que o meu senhor não se irrite. Tu próprio sabes como este povo é inclinado para o mal. Eles disseram-me: Faz-nos um deus que caminhe à nossa frente, pois a Moisés, esse homem que nos fez sair do Egipto, não sabemos o que lhe terá acontecido. Eu disse-lhes: quem tem ouro? Despojaram-se dele e entregaram-mo; lancei-o ao fogo e saiu este bezerro” .(Ex 32,22-24)

Moisés – Acompanha-me até à entrada do acampamento!…Filhos de Israel, quem é pelo Senhor, junte-se a mim!

Aarão – Estou a ver!  Aí tens todos os filhos de Levi, os da nossa tribo!

Moisés –“ Filhos de Levi, o Senhor, o Deus de Israel, diz o seguinte: Cinja cada um de vós a espada sobre a coxa. Passai e tornai a passar através do acampamento, de uma ponta à outra, e cada um de vós mate o irmão, o amigo e o vizinho!” ( Ex 32 ,27)

“Os filhos de Levi fizeram o que Moisés lhes ordenara, e cerca de três mil homens morreram nesse dia, entre o povo. Moisés disse: Consagrai-vos desde hoje ao Senhor porque, sacrificando o vosso filho e o vosso irmão, atraístes hoje sobre vós uma bênção”. (Ex 32, 29)

Oração de Moisés – No dia seguinte, Moisés disse ao povo:” Cometestes um enorme pecado. No entanto, vou subir para junto do Senhor. Talvez alcance o perdão para o vosso pecado. “ Moisés voltou para junto do Senhor e disse: “Ah, este povo cometeu um grande pecado. Fizeram para si um deus de ouro. Apesar disso, perdoa-lhes este pecado, ou então apaga-me do livro que escreveste!

“O Senhor disse a Moisés:” Apagarei do meu livro aquele que pecou contra mim. Vai agora e conduz o povo para onde Eu te disser. O meu anjo caminhará diante de ti, mas no dia da prestação de contas, puni-los-ei pelo seu pecado”.

O Senhor castigou o povo, por ter instigado Aarão a fazer o bezerro. ( Ex 31,30-35)

 .

Considerações :

  1. O povo de Israel era a concretização da promessa feita a Abraão de que ele seria o pai de uma numerosa descendência, à qual seria dada uma terra de prosperidade e bem estar. Mas Deus serve-se dos homens, daqueles que Ele escolhe, para realizar na Terra os Seus planos, os quais se vão realizando condicionados pela aceitação ou rejeição por parte daqueles que ficam envolvidos neles.

Moisés e seu irmão Aarão, da tribo de Levi, foram os escolhidos para conduzir o seu povo a partir do Egipto, pondo fim a uma escravidão de quatro séculos. Este povo pôde admirar como Deus os libertara do faraó com inúmeros milagres, como lhe abriu passagem através do Mar Vermelho, como o protegeu e livrou do exército do faraó, como o conduzia de noite por uma nuvem luminosa e de dia por uma nuvem que lhes servia de guia e de local de paragem para montarem o acampamento, como transformara em água potável um poço de águas sujas, etc. No entanto, se a maioria tinha olhos para ver, fé para crer e esperança  em melhores dias, outros entraram pela via da murmuração, da rebelião,  da perda da fé  em Deus, caindo na aberrante ideia de pedir (exigir?) a Aarão um deus de metal fundido. Não se compreende como o homem, dotado de razão e inteligência, pode cair tão baixo, ao ponto de lhe prestar culto e proclamar: “Este, ó Israel, é que é o teu Deus, que te fez sair do Egipto!”

  1. Será para admirar? Sim e não! O ateu, o que esquece ou não conhece o Deus verdadeiro, está sujeito a tudo, até a ver deus num bezerro de metal ou em outras criaturas, pessoas, animais ou coisas. Convém não esquecer que este povo, enquanto esteve no Egipto, vivia num ambiente de idolatria generalizada, não lhe sendo fácil manter-se afastado das práticas pagãs dos cidadãos do Egipto. Daí, a constante advertência de Deus e de Moisés contra as tentações de ver, fabricar ou adorar divindades concretas, esquecendo o Deus invisível que apenas se manifestava através de Moisés e dos milagres quer ia fazendo diariamente.

É o problema da Fé, ontem, hoje e sempre, num Deus que continua e continuará tão invisível como antes. A Fé é a capacidade de ver para lá do visível, requerendo a adesão voluntária da inteligência e das práticas correctas e obrigatórias  que a alimentam. O homem que não tem Fé caminha pela vida às cegas, não descobrindo o que ele próprio é, de onde vem e para onde vai! Quando o descobrir, logo após a morte, é tarde demais!

  1. Após os pecados em que o povo incorria, Moisés não se poupava a interceder por ele, tentando e conseguindo acalmar a ira de Deus, oferecendo-se mesmo para entregar a sua vida em troca do perdão que implorava para o seu povo. Pode ver-se aqui quanto vale a oração de um santo, de um amigo de Deus, de alguém que aceita uma “missão impossível”. É certo que Deus perdoou ao povo, mas não perdoou àqueles que promoviam a revolta, a murmuração, a idolatria, as saudades do Egipto e que tentavam abater a fé daqueles que se mantinham fiéis aos desígnios de Deus, transmitidos por Moisés. Fossem poucos ou fossem milhares, Deus ia varrendo toda a fruta podre no seu povo, para que o resto não apodrecesse também, numa pedagogia que se podia resumir a “ exterminar uns quantos para salvar o maior número possível”. Será caso para acusar Deus de violento, injusto, cruel, etc.? Qualquer general ou oficial faria o mesmo numa batalha, se visse que essa era a solução menos drástica, com menor número de baixas.

E a morte de inocentes, como as mulheres, as crianças, os animais,.. daqueles que foram de imediato executados em punição pelo seus pecados?  Terão sido inocentes, mas o pecado de um chefe, de um governante, de uma autoridade,…arrasta consequências funestas, não só para aqueles que os cometem, mas para  os familiares e a sociedade em geral, tal como numa guerra, em que morrem muitos que não têm culpa, aparente ou real.

  1. A murmuração – é um dos pecados da língua. Murmurar está na raiz da palavra murmúrio, tendo a ver com comentar em surdina, baixinho, ao ouvido, sussurrar, falar em segredo…,sobre a vida ou episódio da vida de alguém, emitindo normalmente juízos e opiniões desfavoráveis, entrando assim na difamação ou na calúnia, quando se espalham falsidades que o murmurador toma por verdades. É triste, mas não deixa de ser verdade: Normalmente temos a tendência para denegrir a vida alheia e raramente somos capazes de admirar ou referir as suas qualidades e bons serviços, porque caímos na crónica hipocrisia de ver no olho dos outros um argueiro e não vermos no nosso um barrote, uma trave, um milhão de vezes maior…Faz parte da nossa psicologia: afundarmos os outros para  tentarmos elevar-nos a nós próprios. Não esqueçamos que a murmuração acaba por ser também um pecado contra a caridade, porque prejudicamos o próximo. Parafraseando Cristo: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça,  e quem tem sabedoria para entender, entenda!

.

 Ezequiel Miguel

.

Artigos relacionados:

. A rebelião de Coré

. Shemá, Israel! – I

. Shemá, Israel ! – II

. Maledicência, murmuração e duplicidade

. Insultos, injúrias, ofensas…por palavras

. Salmo 94(95) – Hoje se escuitásseis a voz do Senhor

. Salmo 77(78) – Deus na história de Israel

Salmo 146 (147) – É justo louvar o nosso Deus

É belo cantar hinos ao Senhor,

louvá-LO dá deleite, é saudável,

é justo celebrar o seu louvor,

porque Ele é para com todos amável.

.

Jerusalém, o Teu Deus te elevou,

os dispersos de Israel reuniu,

corações dilacerados sarou

e o mal das suas feridas extraiu.

.

Fixou o exacto número das estrelas,

para cada uma um nome escolheu

e brilhando no céu gostou de vê-las

a cumprir a missão que a todas deu.

.

Todo poderoso e grande é o Senhor,

sem limites é a Sua sabedoria,

pobres e humildes conforta na dor,

os ímpios…,  até ao chão os envia.

.

Para agradecer não tenhais língua pobre,

com a cítara hinos Lhe cantai,

em louvor vossa alma se desdobre

e agradeça a chuva que do céu cai.

.

Sede gratos pela erva dos montes,

alimento certo para animais,

e pelas águas que brotam das fontes,

por estes favores e muitos mais.

.

Aos filhotes do corvo dá sustento,

não se compraz na força do cavalo

nem nos pés do homem que desafia o vento,

mas em quem O tema e queira louvá-LO.

.

Jerusalém, dá glória ao teu Senhor,

louva o Teu Deus e Senhor, ó Sião;

porque às tuas portas ferrolho quis pôr,

teus filhos agora abençoados são.

.

Estabeleceu a paz nas tuas fronteiras,

com a flor da farinha te alimenta,

Suas ordens não esperam em fileiras

e a terra produz o que te sustenta.

.

Como lã caem os flocos de neve,

como cinza se espalha a branca geada;

contra o frio quem é que se atreve,

quem pode evitar uma granizada?

.

As ordens do Senhor são para cumprir

quando aos gelos dizem para derreter;

enviando o Seu vento, Ele os faz fluir

na água que toda a vida vai manter.

.

A Jacob dá Suas leis a conhecer,

Israel conhece os Seus estatutos,

nenhuma outra nação tal pôde ver,

não gozando das justas leis os frutos.

.

Ezequiel Miguel

Previous Older Entries

%d bloggers like this: