O cordeiro que foi imolado

O CORDEIRO QUE FOI IMOLADO

Anúncios

Imagem

Beija-mão a Cristo, Rei do Universo

I – Convocatória

.

Correra pelo Universo,

visível e invisível,

edital escrito em verso

para Acto imprescindível:

.

“Para o Universo inteiro

sai esta legal mensagem:

vai-se prestar ao Cordeiro

universal homenagem.

.

À Virgem Imaculada,

de Cristo – Rei a Mãezinha,

toda a criatura, prostrada,

dirá: Salvè Rainha!

.

De todas as profundezas

e de todas as alturas

virão todas, sem tristezas,

as convocadas criaturas.

.

Virão grandes e pequenas,

as visíveis e invisíveis,

deixando para trás as penas,

mesmo se compreensíveis.

.

Do inferno também virá,

por divinal excepção,

grupo que se chamará

“infernal delegação”.

.

Virão as serras e os montes

ante Cristo se dobrar,

com mares, rios e fontes

para Sua Real Mão beijar.

.

As estrelas deixarão

seus lugares desocupados,

perante Cristo estarão

com seus lampiões iluminados.

.

Os mares e os rios virão

com seus leitos não enxutos

e a Cristo apresentarão

os seus fluidos impolutos.

.

As árvores virão vestidas,

enfeitadas com seus frutos,

e com as cores não sumidas

mostrarão seus atributos.

.

Todo o ser se ajoelhará

perante Cristo imortal

e Sua Real Mão beijará

na humildade serviçal.

.

Tudo o que o Mundo segrega,

virá até ao Rei Santo,

pois em Cristo se congrega

no Pai, com o Espírito Santo”.

.

II – Homenagem

.

Nesse Dia, em que o Tempo parou,

vieram as convocadas criaturas,

tudo ante Cristo se perfilou,…

das profundezas às alturas.

.

Esperavam com um porte ordeiro,

guiadas por invisível Poder,

sem nenhum proceder batoteiro

para em frente de Cristo se ver.

.

Surgiram primeiro as invisíveis,

de feitios, tamanhos não pensados,

lá tornados agora visíveis

após o necessário aumentados.

.

Seguiram-se as outras convocadas,

tudo o que há na terra e nos mares

e depois, por grandeza ordenadas,

todas as que habitam lá nos ares.

.

Eram seres todos sorridentes,

nenhum dando sinal de cansado,

daquele momento único conscientes,

na memória para sempre arquivado.

.

Só a Terra vinha lacrimosa, …

as suas lágrimas a enxugar,

pois era a sua via dolorosa

os pecados dos homens expiar.

.

Ela vinha toda envergonhada,

porque ela de todos destoava…;

Cristo a ninguém criticava nada,

mas  a si  ela não se perdoava.

.

Cristo no Seu Trono se sentou,

tendo a Seu lado a Rainha- Mãe,

a multidão perto se chegou,

pronta para a homenagem também.

.

Todos perante Cristo ajoelhavam

para o real anel no dedo beijarem;

de pé, o anel da Rainha beijavam,

após em respeito se inclinarem.

.

Na cauda da infinda procissão

vultos negros, ruidosos, surgiram,

informes, em ardente tição,

pois as suas linhas se sumiram.

.

Perante Cristo eles se dobraram,

com as cabeças no chão tocando,

mas em Jesus Cristo não tocaram,

a humilhação com ódio aceitando.

.

Perante Maria se contorceram,

de negra, feroz raiva espumaram…

Era a tal Mulher que não venceram…

De suas entranhas urros lançaram.

.

Os seus olhos fogo despejavam,

recusando com Maria cruzá-los,

para os seus calcanhares só olhavam

para, se possível, devorá-los.

.

Contendo da sua raiva a pressão,

perante Maria se perfilaram

e de pé, com a cabeça até ao chão,

homenagem real lhe prestaram.

.

Depois, em silêncio se sumiram

e a Terra para eles se abriu,

os sinais deles não mais se viram

e  o  Real Beija-Mão lá prosseguiu.

.

Desta homenagem universal

não se sentiu ninguém excluído,

seguindo-se a Corte Celestial

a conceder o preito devido.

.

Chegou a seu tempo a vez dos Anjos,

mensageiros  de Deus fiéis,

inumeráveis, com os Arcanjos,

ocupando no Céu dois Anéis.

.

Apresentaram-se os Principados

com suas reverendas atitudes,

seguidos  logo dos Potestados

e também do Coro das Virtudes.

.

Surgiu o Coro das Dominações,

mais os Tronos e os Querubins,

saindo deles beleza em vulcões,

culminando com os Serafins.

.

Que tempo este beija-mão durou…

isso dizer eu não poderei,

porque a Eternidade autorizou

o Tempo a suspender a sua lei.

.

Mas como tinha que terminar,

o Tempo o seu curso retomou

e, depois de Cristo discursar,

toda a Criação com salmos O louvou.

.

De cansado ninguém se queixava,

o Beija-Mão assim continuou,

como o Tempo por si não parava,

o Saltério em louvor se esgotou.

.

Ezequiel Miguel

Salmo 127 (128) – O Temor do Senhor e a felicidade no lar

Felizes os que obedecem ao Senhor

e andam em  Seus caminhos, com Ele presente!

Comerás do fruto do teu próprio suor,

assim serás feliz e viverás contente!

.

Tua esposa será como fecunda videira

na discreta intimidade  do teu lar

e teus filhos  como rebentos de oliveira

que ao redor da tua mesa verás  vicejar.

.

Assim será na sua vida recompensado

o homem que obedece e vive na Lei do Senhor.

De Sião sejas pelo Senhor abençoado,

para que vejas a riqueza e o esplendor

.

de Jerusalém todos dias da tua vida

e chegues a ver os filhos dos teus filhos.

Paz a Israel.

.

Ezequiel Miguel

Tenho o Senhor diante de mim

Tenho o Senhor diante de mim

Imagem

A mulher dona de casa

(Confira:  Prov 31,10-31)

.

6023fa7d48388b97aa69e55df162e0ba--woman-silhouette-silhouette-artQuem encontrará a mulher talentosa?

Maior que o das pérolas é o seu valor.

Seu marido confia na mulher virtuosa

e a ele não falta  das riquezas o sabor.

.

Traz-lhe a felicidade, não a desgraça,

todos os dias da sua curta ou longa vida;

adquire a lã e linho e os usa com graça

e de suas  hábeis mãos  sai  arte tecida.

.

Ela se assemelha a um navio mercante

que de  longe  lhe traz  o  precioso grão.

A noite  não impede  que se levante

para aos servos servir logo a refeição.

.

Ela compra um terreno que a encanta,

e, com o que ganha com suas próprias mãos,

brevemente nele uma vinha lá planta,

seus esforços serão tudo menos vãos.

.

Ela sabe que os  seus negócios vão bem

e a sua lâmpada de noite não fenece.

Lança a mão ao fuso e à roca, também.

Ao pobre e ao indigente  alimento fornece .

.

Se neva, não receia  o frio que arrefece ,

porque, lá em casa, se vestem roupas forradas.

A todos  agasalhos   quentes  fornece

e ninguém tem medo das  brancas geadas.

.

Na praça, vê respeitado o seu marido,

quando  ele está entre os anciãos da cidade.

De púrpura e linho fino é o seu vestido,

tece e vende cinturões de qualidade.

.

Prima pela  fortaleza e dignidade

e ao encontro do futuro vai sorridente.

Na sua língua estão ditames de  bondade,

da sua boca  só vem palavra sapiente.

.

Preocupa-se em os seus servos vigiar

e não come o doce pão da ociosidade.

Seus  filhos a saúdam  ao levantar

e o seu marido  a elogia com verdade.

.

Muitas mulheres viveram com valor,

mas tu a todas  de longe ultrapassaste.

Mereces formosura, graça e  louvor,

pela  memória futura que  deixaste .

.

Ezequiel Miguel

.

Artigos relacionados:

. A mulher e a casa

. A mulher e as modas

. A mulher e o sacerdócio ministerial

. A mulher virtuosa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SALMO 62 (63) –Vós sois o meu Deus… por Vós suspiro

ANO A – XXXII Domingo do Tempo Comum

.

Senhor, Vós sois o meu Deus e por Vós suspiro!

É por Vós que desde a aurora a minha alma anseia,

em ânsias que das minhas profundezas tiro,

como terra seca a chorar por fértil veia.

.

Para ver a Vossa glória e Vosso poder,

quero no Vosso  santuário Vos contemplar!

Vale menos a vida do que em graça viver

e com  meus lábios Vos hei-de sempre louvar!

.

Assim, eu  por toda a vida  Vos bendirei,

em Vosso louvor minhas mãos se erguerão,

com saborosos manjares me saciarei,

hinos de louvor da minha alma sairão!

.

Quando, em meu leito, para Vós voa meu pensamento,

ele me acompanha nas horas que a noite dura;

porque sois o meu refúgio no sofrimento,

sob Vossas asas é a noite menos escura.

.

A Vós, Senhor, quero permanecer unido!

Com a Vossa mão protectora me amparai!

Os que pela morte já me julgam colhido…,

esses…nas profundezas da terra os deixai!

.

Eles não serão poupados pelo fio da espada,

serão para os chacais presas apetecidas,

quando a boca dos ímpios for desactivada.

Receba Deus dos fiéis e do rei honras merecidas!

.

Ezequiel Miguel

A Sabedoria de Deus

(Confira: Prov  8, 22-31)

.

firmamentoQuando nasci, ainda os abismos não existiam,

nem as águas das nascentes vinham abundantes.

os picos das montanhas  ainda não se viam,

de suas bases e cumes não havia depois nem antes.

.

Antes que as colinas e os montes fossem fixados,

eu fui, ainda antes de o tempo nascer,  concebida;

a terra e os campos estavam não cultivados,

porque eles próprios ainda não conheciam  a vida.

.

Antes do início do mundo Eu estava presente!

Eu estava lá quando o Senhor os céus firmou,

com um círculo  tornou o abismo obediente,

e nele  a sua extensão  assim  fechada deixou.

.

Quando Ele sobre os montes as nuvens desenhou,

quando Ele os seus limites aos abismos ergueu,

quando Ele ao mar os  seus diques  nas margens fixou,

Eu estava lá, quando tudo isso aconteceu.

.

Depois de às águas ter os seus limites  fixado,

os fundamentos da terra então Ele lançou.

Nessa altura, Eu estava presente, ao Seu lado,

como  o  Arquitecto que  este projecto desenhou.

.

Eu estava cheia de júbilo dia após dia

e na presença  do Senhor Eu me deleitava;

a minha satisfação sobre  a Terra crescia,

pois era  entre os filhos dos homens  que Eu morava.

.

Ezequiel Miguel

.

Obsv. A Sabedoria, aqui,  identifica-se com o próprio Deus, Criador omnipotente, omnisciente, omnipresente.

Previous Older Entries Next Newer Entries